AQUISIÇÃO

Squid compra Duopana

30/04/2020 15:17

Com o movimento, startup de marketing de influência quer investir em comunidades on-line.

Felipe Oliva, CSO e cofundador da Squid. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

A Squid, empresa especializada em marketing de influência, anunciou a aquisição da  Duopana, plataforma de construção de comunidades on-line, blogs e gestão de conteúdo colaborativo.

O valor da transação não foi divulgado pela companhia.

Fundada em 2017, a startup adquirida possui mais de 300 comunidades ativas. Seus cinco funcionários da área de tecnologia agora integram o time da Squid, mas permanecem em Curitiba, enquanto a empresa tem sede em São Paulo.

Luciano Kalil, fundador e CEO da Duopana, já participou da fundação de sete empresas, entre elas a SitePX, plataforma SaaS de construção de sites, blogs e lojas virtuais à qual se dedicou por seis anos antes da empresa atual.

O executivo também foi cofundador da Plimx, especializada em pesquisa e desenvolvimento e, antes, foi CIO da Alô Bebê, e-commerce de produtos infantis, onde atuou por quase dez anos.

Segundo a Squid, o movimento é parte de uma nova fase da empresa que, no ano passado, realizou um reposicionamento para trazer o foco justamente para este tipo de estratégia de engajamento.

"O investimento em comunidades é a nova era da influência. Tenho monitorado tendências e mercados para gerar mais valor para nossos principais stakeholders: anunciantes e influenciadores. Estou certo que a aquisição da Duopana trará ótimos resultados para os dois", afirma Felipe Oliva, cofundador e CSO da Squid.

De acordo com a empresa, a plataforma cria um ambiente colaborativo e exclusivo para empresas e criadores de conteúdo engajarem suas comunidades. 

As marcas poderão criar ambientes em que pessoas com os mesmos interesses interajam e se conectem entre si, passando a utilizar sua autoridade para curar conteúdos e não mais produzir na escala que produzia antes.

Já para os influenciadores, a plataforma oferece recursos para a entrega de conteúdo para toda a audiência, além de permitir o foco na utilização de conteúdos de sua autoridade para engajar o nicho de seu interesse, como moda, maquiagem ou decoração.

No ambiente, os conteúdos podem ser compartilhados por texto e vídeos, além da criação de cursos.

"Quando conheci a Squid, vi que a comunidade de influenciadores que eles criaram era algo muito rico, toda a estrutura que eles possuem e o que construíram poderia acelerar, e muito, o caminho que tracei para Duopana.", conta Luciano Kalil, fundador e CEO da Duopana.

A Squid é especializada em conectar influenciadores e criadores de conteúdo às marcas. Por meio de machine learning, automatiza o processo de identificação, recrutamento e gestão de influenciadores digitais.

Fundada em 2014, a startup conta com mais de 70 funcionários e 250 clientes ativos.

Veja também

EDUCAÇÃO
Etecs e Fatecs retomam aulas com Teams

Ferramenta da Microsoft será utilizada por mais de 300 mil estudantes do estado de São Paulo.

AMÉRICA LATINA
Lenovo Data Center tem novo líder de HPC

Roberto Brandão lidera a área, enquanto Gustavo Stringueta é o novo head de vendas de storage no Brasil.

LOGÍSTICA
Ex-Tegma é novo CIO da BBM

Pedro Neves tem mais de 15 anos de experiência liderando equipes na área.

AGRICULTURA
Pomartec capta R$ 687 mil

Em rodada na CapTable, startup voltada à fruticultura contou com aporte institucional do Badesul.

GESTÃO DE RISCO
Sigalei recebe aporte de R$ 1,3 milhão

Rodada de investimento foi liderada pelo GVAngels, Allievo Capital e SL Anjos.

CARREIRA
Abstartups lança banco de talentos

Objetivo é conectar profissionais e empresas em meio às demissões da pandemia.

OTIMISMO
80% das startups da Wayra não pensam demitir

Mesmo assim, 74% preveem impactos negativos nos seus negócios pelo coronavírus.

PIVOTOU
Omie: corte e virada de rumo

Companhia de ERP na nuvem corta um terço do time e agora foca em clientes maiores.

SINAL DOS TEMPOS
Site de empregos lança solução de demissão

Trampos.co cria Offboarding Kit para as empresas fazerem “demissão responsável”.

CRISE
Investimento anjo deve escassear

Pesquisa da Anjos do Brasil mostra investidores anjos menos dispostos apostar dinheiro em startups.