Valeria Godoy. Foto: divulgação.

Para a Dassault Systémes, levar o seu portfólio de soluções para a nuvem é também um esforço para atrair um novo perfil de clientes para a empresa, que ficou famosa por suas aplicações de CAD e PLM em setores como aerodefesa e metal-mecânica.

"O investimento em novas soluções e hospedar nossos sistemas na nuvem da Amazon está levando a nossa marca para clientes de segmentos como mobility, utilities, marketing e bens de consumo, entre outros", destaca Valeria Godoy, diretora geral da Dassault da América Latina.

Segundo a executiva, esta participação em novos setores foi um dos aspectos que levou a multinacional francesa a crescer cerca de 30% nos países latinos em 2013, percentual maior que o crescimento global da companhia, que foi de 10%. O faturamento no ano passado foi de US$ 2,8 bilhões.

Desde 2012, a Dassault aposta em uma nova oferta para suas soluções. Chamada de 3D Experience, o novo posicionamento vende uma visão holística do portfólio da companhia (Solidworks, Catia, Geovia, Enovia, Simulia) em uma plataforma conectada e colaborativa, com um foco na experiência de consumo e não apenas nos produtos.

Em 2013, a oferta se estendeu para a nuvem, o que segundo Godoy está atraindo clientes que antes não tinham as condições para usar as aplicações da companhia.

"Na nuvem, companhias podem usar nossos sistemas sem se preocupar com infraestrutura de TI, ganhando em agilidade e redução de custos", observa a executiva.

Perguntada se esta nova oferta seria uma forma de levar seus produtos a clientes de menor porte, com ofertas mais acessíveis, Godoy defendeu que as soluções da Dassault já atendem empresas de pequeno e médio porte há bastante tempo. 

Mesmo assim, no Brasil a empresa é mais conhecida por seus contratos com grandes companhias como Petrobrás, Embraer e montadoras como Volkswagen, empresas de setores mais conservadoras e que tem preferência por contar com sistemas instalados em estruturas próprias.

No entanto, segundo destaca Godoy, além da flexibilidade de instalação, ao empregar a computação em nuvem também trouxe a flexibilização de usos das plataformas da companhia.

"Em um projeto, uma companhia de arquitetura pode, por exemplo, comprar uma licença temporária para um colaborador terceirizado, sem que ele tenha que investir em hardware para rodar nosso sistema", explica a diretora.

Levando as soluções para um ambiente mais conectado também se refletiu nas aplicações. Nos últimos anos a empresa adquiriu aplicações como NetVibes, de monitoramento de redes sociais, para agregar ao 3D Experience.

A última aquisição da empresa foi a alemã RTT, empresa alemã que usa dados de CAD de sistemas como Solidworks e Catia para ações de marketing e visualização fotorealística de produtos. Comprada pela Dassault, a empresa foi rebatizada para 3DExcite.