Área de engenharia da Romi.

A Indústrias Romi S.A, líder nos mercados de máquinas-ferramenta e máquinas para processamento de plásticos, está migrando o desenvolvimento de novos produtos para a plataforma da Siemens PLM, incluindo softwares de design, engenharia e gestão de ciclo de vida do produto.

O pacote inclui os produtos NX CAE, NX CAD e Teamcenter para desenvolvimento de novos produtos.

Com isso, a Romi deixará gradativamente de usar os produtos da SolidWorks para CAD e CAE, dos quais a empresa é uma cliente de grande porte no Brasil.

Também sairá de cena o Oracle Agile, produto de PLM que a Romi começou a implantar em 2011, mas, segundo o Baguete apurou, parou em 2012.

Segundo Douglas Pedro de Alcântara, gerente de desenvolvimento de produtos - máquinas-ferramenta da Romi, a comunicação entre os softwares era muito complicada, necessitando de constante intervenção externa para que o ambiente funcionasse, ocasionando alto investimentos e gastos recorrentes.

Agora, a Romi passa a ter um só fornecedor abrangendo toda a cadeia de desenvolvimento, desde o desenho até a estruturação dentro do banco de dados.

“Temos a convicção de que a integração dos sistemas relacionados com o desenvolvimento do produto, desde o projeto, estruturação e fabricação, permitirá um enorme salto da empresa em termos de otimização no processo de fabricação de máquinas”, afirma Âlcantara.

Fundada em 1930, em Santa Bárbara d'Oeste, no interior de São Paulo,  a Romi totaliza mais de 150 mil máquinas instaladas por todo o mundo e 11 unidades fabris (9 no Brasil e 2 na Alemanha).