Foto: flickr.com/photos/nirak

Pesquisa realizada pela Microsoft, em parceria com a consultoria Edge Strategies, indica que a adoção de cloud computing deve dobrar no Brasil em três anos, alavancada pelas PMEs.

Das 250 empresas brasileiras entrevistadas, 33% são usuárias de nuvem e 45% afirmaram que devem utilizar a tecnologia nos próximos dois ou três anos.

“Já passou o tempo em que as grandes corporações eram as únicas a possuir serviços de TI de última geração”, diz Victor Baez, gerente de pequenas e médias empresas e canais da Microsoft Brasil.

No total, mais de 3 mil executivos de PMEs, em 13 países, foram entrevistados.

BOM PARA A MS
O interesse da Microsoft pela nuvem é mais do que estatístico.

Recentemente, a empresa tem abarcado clientes da suíte Google Apps com o Ofice 365, que chegou a ter um desconto de 20% em março para ficar mais competitivo.

Entre os novos membros da carteira estão grandes varejistas, como a Lojas Renner – empresa com lucro líquido de R$ 1,76 bilhão no ano passado e 2,5 mil usuários – e a escola francesa bilíngue Lycée Molière, que usa o Live@edu para 900 usuários, no Rio de Janeiro.

PORTA PARA A PARCERIA
Conforme a Microsoft, o crescimento da nuvem também abre uma oportunidade para os parceiros.

Na pesquisa, a empresa verificou que 87% das PMEs dizem ser importante comprar serviços de nuvem de um provedor com profissionais locais.

Ao mesmo tempo, apesar de muitas PMEs estarem interessadas nos benefícios que a nuvem pode oferecer, diz o documento, muitas não conseguem identificar quais serviços seriam mais valiosos para uma implementação e também têm dificuldade em selecionar um fornecedor.

O estudo também mostra que 60% dessas empresas brasileiras indicam não possuir os recursos necessários para implementar novas tecnologias e serviços, e 71% não possui recursos para as aplicações.

"Para o grande ecossistema de provedores de serviços em nuvem, este cenário representa uma oportunidade para elevar o conhecimento e preencher a lacuna que existe na conquista de clientes", diz o documento.

EMBALADA PELA ECONOMIA
De acordo com a Microsoft, também ajudam os fatores econômicos.

O Brasil está 18% mais otimista que os demais países participantes da pesquisa, uma vez que 30% das empresas nacionais consideram que a instabilidade econômica será um desafio para seu crescimento, enquanto que no mundo são 48%, indica a pesquisa.

Já o aumento nos custos com funcionários são mais preocupantes aqui do que para os demais países. O Brasil está sete pontos acima do percentual mundial com 32% ao invés dos 25% globais.

Apesar das incertezas econômicas globais, 53% das pequenas e médias empresas do mundo e 68% das PMEs nacionais usando serviços em nuvem esperam crescer em vendas nos próximos 12 a 18 meses, sendo que a maioria delas acredita que a tecnologia vai acelerar seu crescimento.