Brasileiro Hugo Barra se tornou VP da Xiaomi no ano passado.

A Xiaomi, fabricante de eletrônicos conhecida com “Apple chinesa”, abriu um escritório na zona sul de São Paulo e já contratou pessoas para estruturar os negócios na região. 

Uma pesquisa realizada pelo Baguete apurou que Leo Marroig está atuando como gerente geral da empresa na América Latina. Além disso, Chen K. L. é o gerente de projetos da operação de São Paulo.

Marroig, antes de ingressar na Xiaomi, atuava como chefe de serviços de consultoria da Genpact no Brasil. A empresa atua no segmento de BPO. 

Entre 2008 e 2011, trabalhou no Hospital Albert Einstein, onde passou pelo cargo de chefe de projetos e processos. Também atuou por mais de 8 anos na General Electric.

Chen fez parte da equipe da Gerdau entre 2007 e 2011, cumprindo a função de coordenador de projetos. Ele também teve passagens por Embraer e Cisa Trading.

Em agosto de 2013 já havia sido anunciado um reforço para a atuação da empresa no Brasil. Hugo Barra, brasileiro que antes liderava o desenvolvimento Android no Google, passou a ocupar o cargo de vice-presidente na Xiaomi.

Em maio, a empresa revelou que países como Rússia, Índia e Brasil passariam a receber a linha de produtos da companhia. Foi divulgado também que Vietnã, Turquia, México, Malásia, Filipinas, Indonésia e Tailândia passariam a comercializar os produtos da empresa.

A fabricante é conhecida por vender aparelhos Android de baixo custo. Os celulares da Xiaomi são vendidos por valores entre US$ 250 e US$ 460. O iPhone 5c, aparelho atual mais barato da Apple, custa US$ 549. 

Por isso, seus produtos tem potencial para emplacar no mercado brasileiro.

Um estudo realizado pela Kantar Worldpanel mostrou que a venda de smartphones no Brasil cresceu 101% em 2013. A classe C foi a segunda com maior penetração, responsável por 17% do mercado no ano passado. 

Além disso, dados de 2013 mostram que smartphones com preço abaixo de R$ 700 representavam mais de 70% das vendas no Brasil.

O público que busca aparelhos de preço baixo passou a apostar nos smartphones acessíveis ao invés de comprar um novo feature phone. Em maio, os modelos smart passaram a representar 76% do mercado de celulares. 

De janeiro a maio deste ano, as vendas de telefones celulares atingiram 28,2 milhões de unidades. Entre os dispositivos, foram comercializados 8,6 milhões de aparelhos tradicionais, o que significa uma queda de 41% frente ao mesmo período do ano passado. Também foram vendidos 19,5 milhões de smartphones, um incremento de 71%.

A Xiaomi foi fundada em 2010 e está entre as 10 maiores vendedoras de smartphones do mundo.

No primeiro semestre de 2014, comercializou 26,11 milhões de unidades, um aumento de 271% em relação ao mesmo período do ano passado. 

O objetivo da empresa é atingir 60 milhões de unidades em 2014, com US$ 11 bilhões em vendas.