Caio Diniz. Foto: divulgação.

O que você, caro leitor, fazia quando estava no ensino médio, aproveitando sua adolescência? Desenvolvendo softwares? Caso esse seja o caso, tens muito em comum com o jovem carioca Caio Diniz, de 16 anos, que criou o aplicativo de e-learning Educação Mais (E+).

O E+ é um programa educacional que responde dúvidas e resolve problemas em matérias como Física, Matemática e Eletrônica, criado por Diniz e desenvolvido em parceria com Leonardo Bruno, Brenner Garcia, Thiago Reis, Pedro Henrique, Breno Ramos e João Victor, seus colegas de 1º ano do Ensino médio em Informática na Escola Técnica Rezende-Rammel (ETRR), na capital carioca.

A ideia da aplicação nasceu em 2012, a partir de um trabalho do curso, usando a linguagem VirtualBasic. A primeira versão do programa foi ao ar em setembro do ano passado, em um site também criado pelos estudantes.

No entanto, segundo afirma Diniz, sua ideia foi criar uma aplicação que tivesse um uso prático além da aula de software, com a proposta de auxiliar e facilitar o entendimento dos estudantes em outras matérias.

“Queríamos criar algo relacionado à área de educação e que atendesse à real necessidade de usuários específicos”, afirma o jovem.

O E+ conta com respostas a problemas matemáticas como delta da equação do 2º grau, seno, cosseno e tangente. Dentre as fórmulas aplicadas em Física, o software pode realizar cálculos relacionados à Aceleração, Trabalho, Potência, Velocidade Média, Espaço e Força.  

Na eletrônica, pode-se descobrir os valores de Resistência elétrica e de resistores por sistema de cores. Já em química, o E+ disponibiliza uma tabela periódica completa com todas as informações de cada elemento.

De acordo com Diniz, o objetivo do aplicativo, disponível para Windows, não é eliminar o trabalho dos alunos. O objetivo é diminuir o tempo para solucionar questões complexas da área de exatas no ensino médio.

"Junto com as respostas, colocamos explicações para mostrar como resolver os problemas. Queremos que seja uma ferramenta de estudo de fato, e não uma espécie de 'cola digital'", explica o jovem.

DESTAQUE
Embora o Educação Mais tenha começado como um aplicativo amador, Diniz não se surpreendeu com a receptividade positiva à solução, que foi destaque em feiras estudantis como Expotec Rio (realizada pela CEFET), a Mostratec (RS) e  Febrace (SP).

"Vejo que o setor de educação ainda é precário em aplicações práticas e funcionais para estudantes do ensino médio, e tive isso em mente quando desenvolvi o programa", afirma.

Para o estudante, o próximo passo envolve o desenvolvimento de uma versão atualizada e mais profissional do serviço, que deve ser lançada até o final do ano. A ideia é que o serviço continue gratuito, mas com novas funcionalidades, inclusindo versões móveis.

Além disso, Diniz e seus colegas estão trabalhando em um novo serviço, chamado Health+, voltado ao segmento da saúde. Inicialmente, a aplicação conta com um mapeamento de hospitais e serviços de saúde na capital carioca, usando recursos de geolocalização.

Mesmo com todas as ideias, Diniz ainda não pensou na possibilidade de transformar seus produtos em um negócio.

"Por enquanto, meu interesse é concluir os estudos, continuar programando e mostrar nosso trabalho. Se depois aparecer alguma oportunidade interessante, vamos pensar no assunto", finaliza.