CÓDIGO DE BARRAS

Código Verde rastreia espécies da Mata Atlântica

30/08/2018 14:33

Projeto une GS1Brasil, PariPassu, Zebra Technologies e 3M com o Legado das Águas.

O Legado das Águas é a maior reserva privada de Mata Atlântica do Brasil, com 31 mil hectares.

Tamanho da fonte: -A+A

Uma parceria entre Associação Brasileira de Automação (GS1Brasil), PariPassu, Zebra Technologies e 3M será responsável pelo projeto Código Verde, juntamente com o Legado das Águas, maior reserva privada de Mata Atlântica do Brasil.

O Legado das Águas é a maior reserva privada de Mata Atlântica do Brasil, com 31 mil hectares, administrada pela Reservas Votorantim, gestora de ativos ambientais da Votorantim.

O projeto que tem o objetivo de implantar o processo de rastreabilidade automatizado no Viveiro de Mudas da Reserva, tornando possível garantir o padrão de qualidade durante todo o processo de manejo da muda, da coleta na matriz até o destino final. 

A iniciativa trabalha juntamente com No último ano, o grupo definiu tecnologia, protocolos, modelo de rastreamento, logística e método de comunicação. 

“Entendemos que este é um projeto inovador em termos globais, pois os padrões GS1 identificam, prioritariamente, itens comerciais. Rastrear plantas nativas é algo inédito na GS1. Além disso, no aspecto ambiental, não temos conhecimento de iniciativas similares que tenham essa aplicabilidade e esse viés de inovação”, afirma Herbert Kanashiro, analista de sustentabilidade da GS1 Brasil.

Localizado a menos de 200 quilômetros da capital paulista, entre os municípios de Juquiá, Miracatu e Tapiraí, o Legado das Águas atua em várias frentes da nova economia, entre elas o Viveiro de Mudas, onde são produzidas espécies nativas destinadas ao paisagismo e ao reflorestamento de áreas degradadas. 

A área do viveiro é de 1,5 mil metros quadrados, com capacidade para produzir 200 mil mudas por ano. 

“Inaugurado há quase dois anos, nosso viveiro tem a proposta de ser um importante pólo ambiental e social, destinado ao desenvolvimento econômico local aliado à conservação desse bioma tão ameaçado. Agora, com o projeto Código Verde, agregamos mais valor à nossa atuação, oferecendo aos clientes mudas de qualidade com garantia de origem”, afirma Frineia Rezende, gerente executiva da Reservas Votorantim.

Feito antes manualmente, o processo de rastreabilidade de cada muda das espécies da Mata Atlântica agora é automatizado no padrão GS1, usado em todo o mundo.

Os parceiros envolvidos no projeto entraram de forma voluntária, sem custos, com a sua respectiva tecnologia. 

A PariPassu – especializada no desenvolvimento de soluções para gestão agrícola, rastreabilidade, recall e gestão da qualidade – implantou no projeto seu aplicativo para smartphone CLICQ, que faz automação da inspeção e controle de qualidade. A partir daí, coletam-se informações que são analisadas para registro em tempo real das etapas, desde a coleta das sementes até a venda das mudas. 

A Zebra Technologies forneceu dispositivos móveis para leitura de códigos de barras e impressoras, criados para funcionar em ambientes hostis como florestas. Os dispositivos da Zebra são responsáveis pela coleta e processamento das informações de localização por GPS, leitura de códigos de barras e captura de imagens de alta qualidade como parte da solução PariPassu-3M. 

A 3M do Brasil forneceu as etiquetas. Um QR Code possibilita que os coletores de dados da Zebra Technologies registrem os dados das sementes que serão cultivadas e os transmitam para o sistema automatizado. 

Para a implementação da automação, foram adotados os padrões globais GS1 de identificação e serviços. A identificação das espécies é feita com o GTIN (Número Global do Item Comercial) e a localização das matrizes com aplicação do GLN (Número Global de Localização). Ambos os padrões são cadastrados no CNP (Cadastro Nacional de Produtos).

Veja também

SUMMIT 4.0
GS1 tem evento sobre IoT em SP

O encontro irá discutir as tecnologias responsáveis pela tendência 4.0.

COISAS
Finep tem R$ 1,5 bilhão para IoT

Podem participar empresas com receita operacional bruta a partir de R$ 16 milhões.

AUTOMAÇÃO
Oxford Porcelanas adota RFID

O investimento da Oxford foi de R$ 400 mil para todas as adaptações necessárias. 

TENDÊNCIA
Brasil acorda para Indústria 4.0

Entidades de tecnologia, do setor de indústria e o governo estão criando iniciativas voltadas ao tema.

RFID
Leal automatiza estoque com Totvs

A empresa administra um estoque de mais de 500 mil artigos.

INTERNET INDUSTRIAL
ABII é associada da IIC

A IIC é a organização mundial de players de tecnologia pela promoção de padrões de Internet Industrial.