A presidente Dilma Rousseff anunciou nessa segunda-feira, 30, novas vagas para estudantes que queiram participar do Programa Ciência sem Fronteiras. Em outubro, estarão disponíveis oportunidades em 17 países.

As bolsas serão nas áreas de desenvolvimento científico, tecnológico e inovação, como engenharia, medicina, ciências biomédicas, da computação, tecnológicas, ciências agrárias, etc.

Os universitários estudam um ano no exterior e podem fazer estágio em laboratórios e empresas do país escolhido. 

“Quando esses jovens voltam às universidades no Brasil trazem novas ideias e experiências e, assim, agregam contribuição para a modernização do ensino e da pesquisa aqui”, disse a presidente.

Em dois anos, o programa concedeu mais de 53 mil bolsas e a meta é oferecer 101 mil em quatro anos. 

Para participar, é preciso ter feito, pelo menos, 600 pontos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e ter um bom desempenho no curso superior em andamento no Brasil. 

O governo paga os custos do estudante no exterior, incluindo a mensalidade da universidade, o alojamento e a alimentação, além de um curso de línguas de até seis meses no país de destino.

Os principais países de destino dos estudantes do Ciência sem Fronteiras são Estados Unidos, Canadá, França, Inglaterra, Alemanha e Coreia do Sul.