MUDANÇAS

Como fazer o home office durar?

30/09/2021 10:10

Slack e NTT colocam em prática medidas visando o trabalho em casa a longo prazo.

Vem aí um novo novo normal. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

O home office veio para ficar. Pelo menos, é o que indicam uma série de pesquisas, apontando que a tendência é que a prática permaneça em graus variáveis, mesmo depois da saída em cena completa do coronavírus.

A pandemia motivou uma adoção em massa do trabalho em casa no ano passado, mostrando para muitas empresas que o modelo é viável, permite redução de custos e acesso a novos pools de talento.

O desafio, porém, é como evitar uma tendência progressiva de retorno ao status quo, uma vez que o coronavírus sair de cena. 

Medidas adotadas nesta semana pela NTT, a gigante japonesa de telecomunicações, e o Slack, rede de comunicação em alta no meio corporativo, mostram a necessidade de alterações a nível de estrutura física e cultura organizacional.

O Slack, que tem  2,597 funcionários em 17 escritórios em nove países (o Brasil não está na lista), anunciou que os executivos no comando vão liderar pelo exemplo, passando no máximo três dias por semana nos escritórios físicos da empresa.

Ao mesmo tempo, os escritórios não terão mais andares dedicados para altos executivos, que, quando estiverem trabalhando presencialmente, deverão focar em trabalho junto aos times e clientes.

“Os executivos vão liderar pelo exemplo”, disse à CNN o CEO do Slack, Stewart Butterfield. “Ter os times juntos presencialmente deverá ter um propósito, como construção de equipe, kick off de projetos e outros eventos planejados com antecipação”, explicou Butterfield.

A NTT, uma empresa muito maior, com 320 mil funcionários, está conduzindo uma mudança ainda maior, reformulando toda a sua presença física em nível mundial.

Os funcionários vão trabalhar ou em casa, ou em uma de cerca de 260 unidades que a empresa vai construir. 

No Japão, o foco é aumentar a presença fora dos grandes centros, oferecendo 1,5 vezes mais metros quadrados por funcionário. 

Vale destacar que o mundo do trabalho japonês era conhecido por longas horas no escritório e que o home office antes da pandemia nunca tinha decolado no país.

Talvez por isso, o plano da NTT é de longo prazo, envolvendo mudanças na política de contratação, digitalização de processos e implementação de software de segurança até 2023, segundo uma apresentação feita pela empresa a investidores.

Veja também

PANDEMIA
Empresas pedalam volta ao escritório

Metade dos ouvidos em um estudo da KPMG deixou retorno para 2022.

SEGURANÇA
Prefeituras sofrem “epidemia” de ataques cibernéticos

Mais de 30 municípios registraram incidentes desde o final do ano passado.

ASAS
Anjos ganham fôlego em 2021

Principais grupos de investidores anjo devem investir 76% a mais.

OFF
SumUp dá um mês de férias extra

Funcionários com mais de três anos de casa podem pedir 30 dias a mais.

PRODUTIVIDADE
BB aprende a lidar com excesso de informação

Empresa de treinamentos foca em ajudar empresas a trabalhar melhor com softwares.

CRÉDITO
Fundacred cria plataforma de vestibular digital

Desenvolvida pela Brivia, a solução é gratuita para as conveniadas da fundação.