Oracle não quer se livrar do lixo. Foto: reprodução.

Mesmo depois de levar chumbo de muitos usuários por atrelar softwares inúteis (plugins, addons) indesejados às suas soluções, a Oracle anunciou que não deve abandonar os "crapwares" (software-lixo) do Java tão cedo.

De acordo com a Computerworld, Doland Smith, chefe da equipe OpenJDK da Oracle, citou obrigações contratuais que o impedem de discutir acordos de negócios em detalhes, mas deixou implícito que a prática continuará.

"Quando você tem uma relação comercial como esta, não apenas está lidando com as suas próprias políticas de comunicação e reconhecimento de receitas e todo o tipo de coisa, mas também tem uma parceria comercial e um acordo que você tem que cumprir", disse Smith.

O instalador do Java para Windows apresenta a opção da barra de ferramentas de navegador "Ask.com", que é instalada automaticamente a menos que os usuários explicitamente desabilitem a opção na tela do Java.

Este método foi fortemente criticado por especialistas, principalmente nas últimas semanas, em que o Java foi implicado em acusações de falta de segurança e comprometimento de dados dos seus usuários.

Segundo Ben Edelman, professor associado da Universidade de Harvard, a Oracle estaria se aproveitando destas brechas, usando suas atualizações de segurança como formas de incluir softwares indesejados para alcançar um lucro maior.

"Os updates são necessários apenas porque resultam de uma falha de segurança grave do Java", disse Edelman. "É preocupante ver o lucro da Oracle por conta desta brecha, usando uma atualização de segurança como oportunidade para pressionar os usuários a instalarem o software de publicidade extra", finaliza.