Parque foi inaugurado na semana passada. Foto: Diogo Moreira/ GESP.

O Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto foi inaugurado na semana passada após um investimento de R$ 15 milhões. No local, serão incentivadas pesquisas e criação de novas tecnologias a fim de aproximar os setores industrial e empresarial da academia.

A iniciativa é resultado de uma parceria entre a Universidade de São Paulo (USP), Fundação Instituto Pólo Avançado da Saúde (Fipase), secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação de São Paulo e prefeitura de Ribeirão Preto

“A ideia é incentivar as empresas nascentes em Ribeirão Preto, mas também atrair novas empresas que possam se instalar na cidade”, revelou Eduardo Cicconi, gerente do Supera Parque. 

O foco do parque está em abrigar empresas que trabalhem com P&D e que invistam em produtos nas áreas do Complexo Industrial da Saúde, biotecnologia, tecnologia da informação e bioenergia. 

Para o governador Geraldo Alckmin, por estar dentro do campus da USP o parque tem um diferencial em relação aos outros e deve impulsionar o desenvolvimento na região. 

“Estamos muito otimistas. Acho que foi um gol marcado em benefício da ciência, do desenvolvimento, dos empregos e oportunidades da região”, ressaltou.

Durante o evento, o governador anunciou um convênio entre a Fipase, gestora do parque, e a secretaria para aquisição de equipamentos para o local com um investimento de R$ 1,6 milhão. 

Atualmente, o empreendimento gera 120 empregos diretos entre unidade gestora e empresas incubadas, mas esse número deve aumentar. 

São 300 mil m² de área, desse total, apenas 5 mil m² estão ocupados com prédios onde estão a incubadora, o centro de tecnologia, o centro de negócios e a Fipase. 

Apenas no projeto urbanístico já foram investidos R$ 437 mil.

O plano é que haja outros dois prédios com uma aceleradora, um núcleo administrativo, além de restaurantes, bancos e auditórios. 

Além disso, a equipe projeta um Centro Tecnológico de Biotecnologia, que já está em fase de captação de recursos, uma Faculdade de Tecnologia de São Paulo, um laboratório da Fundação para o Remédio Popular e uma unidade da Embrapa. 

Ribeirão Preto é um polo de TI em expansão: 27 das 42 empresas pertencentes ao Piso (Polo Industrial de Softwares) faturaram sozinhas R$ 243,5 milhões no ano passado.

O valor representa 143% a mais que os R$ 100 milhões gerados pelas 25 empresas do polo em 2005.