Guilherme Bastos e Helcio Nobre, gerindo a colmeia. Foto: divulgação

Facilitar a importação de produtos para o Brasil é o negócio da startup Dabee, novo investimento da Monashees – investidora por trás de marcas brasileiras como Peixe Urbano e do GetNinjas.

O aporte inicial no empreendimento não foi revelado, mas as metas incluem chegar a 500 mil clientes brasileiros até o final desse ano e a 3 milhões em dezembro de 2013.

De cada pedido, a companhia fica com uma taxa que vai de 10% a 15% do valor.

Assim, se a meta de clientes for atingida e até dezebro de 2013 cada usuário tiver gasto o ticket médio do e-commerce no Brasil em 2011, de R$ 350, a empresa pode chegar a R$ 157,5 milhões de faturamento no próximo ano.

SEM ENCOMENDAS
Para multiplicar a base por seis, o CEO e fundador Guilherme Bastos conta com a inspiração, vinda de inoportunas encomendas de amigos cada vez que viajava para o exterior.

“Como moramos há algum tempo nos Estados Unidos, tivemos a ideia do site quando chegávamos de lá (de volta ao Brasil), com algum produto que não tinha por aqui e voltávamos com uma lista enorme de encomendas (para o próximo retorno)”, diz  Bastos.

Projeto online que mescla e-commerce e redes sociais, a Dabee se propõe a vender e entregar, sem complicação e em até 12 parcelas, produtos de fora que não são vendidos ao Brasil.

Além de dar uma folga para os amigos viajados, a plataforma permitirá aos usuários descobrir e comprar produtos de qualquer lugar do mundo.

SOCIAL COMMERCE
O viés social vem dos curadores ou especialistas em produtos que selecionam as novidades para os visitantes da Dabee através de artigos em segmentos como eletrônicos, games, música, moda, beleza, automotivo, esportivo e utilidades domésticas.

Por meio do site, os usuários criam vitrines de descobertas, chamadas de colmeias, e incluem produtos únicos disponíveis em diversas lojas virtuais do mundo todo.

Qualquer usuário pode criar uma colmeia na Dabee ou mesmo seguir colmeias vizinhas que sempre trazem descobertas interessantes.

Esse conteúdo também pode ser compartilhado por meio do Facebook, Twitter e outras redes sociais. Ao compartilhar, comprar e incluir links na colmeia o usuário ganha polens, que são as moedas de troca e geram descontos automáticos de tarifas para as compras.

Do e-commerce, a empresa pegou os sistemas de pagamento e as certificações – Verisign, Macfee, e Site Blindado.

STANFORD, EBAY, PAYPAL
Os fundadores da empresa possuem graduação em Stanford e deixaram a carreira de executivos na eBay e PayPal para lançarem a Dabee.

Bastos, por exemplo, tinha 10 anos de experiência no eBay até ir para a startup. Seu sócio Helcio Nobre, soma cinco anos anos de PayPal, em duas passagens pela empresa.

ARMAZÉNS NOS EUA
Os usuários podem pedir produtos dos Estados Unidos, onde a Dabee tem dois armazéns, de alguns países da Europa e da Austrália. Antes do envio do produto ao país, o executivo afirma que a empresa confere os documentos necessários para não haver problemas na alfândega.

O mercado de compras que tem consumidores em um país e vendedores em outro já chega a US$ 80 bilhões, contam os executivos da Dabee.

No caso do preço, uma das diferenças de comprar pela internet de outros sites – cuja sede é fora do Brasil – está no custo do IOF no cartão de crédito, que passou de 2,38% para 6,38% em março desse ano por determinação do governo.

Com a mudança, o valor fica próximo do que já é pago por brasileiros em alguns mercados fora do país – por exemplo, na Flórida, destino da maioria dos turistas saídos do Brasil nos EUA, o custo do imposto sobre os produtos é de 7,5%.

Os pagamentos à Dabee são feitos no Brasil.