Novos chips da TIM vão ficar fora dos celulares em 18 estados e no DF por um tempo. Foto: Baguete Diário

Operadora mais prejudicada pela suspensão de vendas de novas linhas da Anatel, imposta há duas semanas, a TIM teve uma queda de 0,9% no seu lucro líquido no segundo trimestre, frente ao mesmo período do ano anterior.

Nominalmente, o valor do lucro líquido é de R$ 346,8 milhões.

O balanço ainda não reflete o impacto da interdição pela agência, mas sinaliza os desafios da operadora.

SEGUE A VICE
Conforme a divulgação dos resultados, a base total ultrapassou 68,9 milhões de clientes, alta de 24% ano a ano, mantendo a empresa como a segunda maior operadora do Brasil.

Na receita bruta, houve alta de 10,2 % no período na comparação anual, atingindo R$ 6,8 bilhões.

Em dados, a receita bruta cresceu 40,3% ano a ano e ultrapassa a marca de R$ 1 bilhão, alavancada pelo aumento da penetração de smartphones na base, que já alcança 35,2%, contra apenas 15,4% no segundo trimestre de 2011.

PIOR ESTÁ POR VIR?
O saldo positivo, no entanto, pode se inverter sem uma reversão na proibição de vendas.

Nenhuma operadora divulga o prejuízo potencial sem a ativação de novas linhas. O problema, porém, não é só não ganhar dinheiro, mas perder mercado.

No Distrito Federal, onde existe a maior proporção entre celulares por habitante do Brasil, a empresa é a segunda maior operadora, com 24,14% de mercado.

Logo atrás vem a Vivo, com 23,33%, seguida de perto pela Oi, com 22,37%.

Em linhas de celular, a Vivo está a 48.631 novos chips atrás da TIM. E a TIM, perdeu 0,23 ponto percentual de share.

SALVAÇÃO
Uma das tábuas de salvação pode ser São Paulo, principal mercado do país, onde a empresa não está proibida de vender, e está com o segundo maior share (27,81%).

Ainda assim, a barreira às comercializações em 18 estados e o Distrito Federal pode impactar nos próximos balanços.

Segundo a TIM, os investimentos em rede seguem crescentes. No trimestre, a TIM investiu mais de R$ 1 bilhão, valor 46% acima do montante investido no mesmo período do ano passado, sendo que 96% desse total em infraestrutura, antecipando assim o Capex do ano.

“No momento, nossa prioridade é adequar o plano de ações de curto, médio e longo prazo apresentado na última semana para a Anatel para que tenhamos nossas atividades normalizadas o quanto antes”, diz Andrea Mangoni, presidente da TIM Celular.

Mangoni, que foi efetivado no cargo na semana retrasada depois de quase um mês de interino na posição, em substituição a Luca Luciani, diz que a empresa vai investir R$ 9,5 bilhões até 2014.

Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rondônia e Tocantins (TIM).