Leandro Baptista e Guilherme Reitz, fundadores da Axado. Foto: Divulgação

Desenvolvido por jovens recém-graduados de Florianópolis, o site Axado pretende facilitar a vida de quem quer contratar um serviço de transportes de produtos e cargas com um comparador de preços.

A startup foi fundada em 2011 por Guilherme Reitz e Leandro Baptista, por uma necessidade deles mesmos sempre que precisavam contratar um frete, e já mira faturamento de R$ 50 milhões até 2014.

O investimento inicial à startup, que hoje emprega sete colaboradores, veio do fundo Jacard, por meio do “anjo” Marcelo Amorim.

O valor recebido não é divulgado, mas atualmente o Axado já passa por uma segunda rodada de aportes.

O impulso para a busca vem dos atuais resultados, que projetam um futuro promissor: em julho, a média de visitas ao site chegou a 10 mil e, segundo Baptista, a expectativa é que até dezembro sejam 200 mil consultas de fretes mensais.

Destas, a meta é que resultem em pelo menos 10 mil contratações via Axado.

O SERVIÇO
Depois de estudar um sistema interno com listagem de transportadoras, os administradores viram um potencial para transformar o comparador em um serviço.

Colocado em prática, hoje o site permite pesquisar qual empresa oferece o melhor custo benefício para transportar uma encomenda, avaliando variáveis como prazos, tipos de envio (aéreo, rodoviário ou marítimo) e valores, entre outros.

“Nosso serviço é voltado para pequenas e médias empresas que precisam enviar encomendas nem sempre em grande quantidade para clientes em diversos lugares do país”, explica Baptista.

A RECEITA
Atualmente, o site conta com 30 transportadoras na base de seu comparador.

A carteira de cadastrados mantém contratos de diversos modelos com o Axado, incluindo banners, cliques por link e por ação, quando o usuário contrata o serviço da empresa.

APOIO
Ainda segundo Baptista, entidades como a Fiesc podem ajudar na divulgação da novidade.

“Estamos em contato com a Federação para atingir empresas com o perfil fracionado, como as da indústria têxtil e de peças de automação”, explica o empreendedor.

FUTURO
Nos próximos meses, Baptista e Reitz pretendem investir em novos produtos da empresa, como ferramenta para cálculo de frete em e-commerce, plataformas C2C e portais de e-procurement.

De acordo com os dois empreendedores catarinenses, a solução tem potencial.

“Trata-se de uma novidade para um mercado que passa por uma transformação logística impulsionada pela facilidade do acesso à internet e pelo desenvolvimento acelerado da área de TI”, finaliza Baptista.

BOM MOMENTO
Uma estimativa da Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital indica que o Brasil deverá experimentar um crescimento de 20% nesse tipo de aporte para negócios em 2012.

Segundo cálculos da Associação Brasileira de Startups (ABS), o Brasil tem 3,5 mil investidores anjo, atualmente.