Carlos Morard, diretor da Aceco para a AL. Foto: divulgação.

A Aceco TI foi escolhida pela Sonda IT para projetar e gerenciar a construção e os testes de seu novo mega data center em Santiago, no Chile.

Concluída após 18 meses de trabalho, a obra já foi certificada no nível Tier III pelo Up Time Institute, o que atesta sua qualidade e disponibilidade de infraestrutura acima dos 99,98%.

Resultado que tem na base a experiência da Aceco, responsável pelo projeto de mais de 85% dos data centers certificados Tier III na América do Sul.

O novo centro da Sonda tem área total de 6,5 mil m², abriga seis salas de TI com 250 m2, 600 kW de equipamentos cada e instalação total de 16 MVA, incluindo as redundâncias.

“Um dos maiores desafios para a implantação do data center foi a localização. Santiago é uma cidade com atividades sísmicas intensas, o que configura um risco para a segurança e operabilidade da construção”, conta Carlos Morard, diretor da Aceco para América Latina.

Assim, o projeto do data center precisou passar pela minimização do risco de acidentes em consequência de terremotos, e para tanto foi construído um edifício em bloco independente, apoiado sobre fundações com sistema de amortecimento de vibrações.

Conforme Morard, as oscilações são suavizadas na ordem de 5,5 vezes, ou seja: um terremoto de intensidade 8,5 graus na escala Richter é sentido pela construção como um de 1,5 grau.

O projeto resultou em um ambiente de eficiência energética (PUE) de 1,29 e consumo de água (WUE) de 26,7, índices considerados ideais e que, além do Tier III, já renderam também o prêmio Data Center Dynamics Award Latin América, na categoria “Inovação em Mega Data Center”.

Responsável pelo projeto, a Aceco sabe com o que está lidando: a companhia soma mais de 600 data centers e 300 salas-cofres já desenvolvidos e certificados, construídos no Brasil e vários países da América Latina.

A empresa, que detém com exclusividade no Brasil a certificação ISO 9001 de qualidade de serviços para projeto, construção e manutenção de data centers, já assinou os ambientes de clientes como Alog, Ativas, Alog, T-Systems, O Boticário, Petrobras e Citi -Centro Integrado de Tecnologia da Informação.

Este último, um projeto orçado em torno de R$ 40 milhões que reunirá as estruturas de informática do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), Centro Nacional de Supercomputação (Cesup) e Centro de Processamento de Dados da UFRGS (CPD-Ufrgs).

A empresa tem sede em São Paulo e filiais em Brasília, Rio de Janeiro, Interior de São Paulo, Argentina e representantes latino-americanos.

Nos últimos dez anos, a Aceco cresceu 25 vezes, atingindo vendas de mais de R$ 500 milhões.

Recentemente, recebeu um aporte de valor não revelado do General Atlantic LLC por uma participação minoritária no negócio.

ATRATIVO

O Chile tem atraído as atenções quando o assunto é data center. 

Em setembro deste ano, o Google anunciou a cidade de Quilicura, na região metropolitana de Santiago, como destino de seu primeiro data center na América Latina.

Em post no seu blog, a gigante de buscas falou em investimento de “longo prazo” no data center de US$ 150 milhões.

Apesar de ter sua operação latino americana sediada em São Paulo e o mercado brasileiro responder por aproximadamente metade da América Latina, custo de mão de obra e impostos pesaram a favor do Chile, na análise de especialistas da IDC ouvidos pelo Computerworld.