A Agiplan Financeira, empresa porto-alegrense do grupo Agiplan especializada em soluções de crédito, começou a usar neste outubro o SPBx, solução da C&M que dá acesso ao SPB (Sistema de Pagamentos Brasileiro).

Segundo o presidente da C&M, Orli Machado, a ferramenta garante o acesso de financeiras, bancos e corretoras de câmbios e valores à plataforma com segurança, contingência e em conformidade com todas as normas do Banco Central.

“Nós processamos todas as transações de SPB dos clientes. Com a solução, a Agiplan Financeira – CFI fica livre para cuidar exclusivamente das atividades pertinentes ao seu negócio”, explica Machado.

O SBPx é um sistema de mensageria multi plataforma que entrega a empresas do segmento financeiro funcionalidades como sistema de alçadas e criptografia, tela automática para envio de mensagens, análise da recepção de mensagens com aplicação de filtro de negócios, extrato e acompanhamento de saldos online da CIP (Câmara Interbancária de Pagamentos) e STR (Sistema de Transferência de Reservas), entre outras.

O presidente da C&M explica que, antes da solução, a equipe da Agiplan tinha de cuidar das demandas agora automatizadas no SPBx. Com a mudança, processos como a geração de liquidações ganharam em agilidade e redução de erro humano.

“A geração das liquidações passou a ser direta pelo SPB. Agora, os clientes recebem seus créditos no mesmo dia da aprovação, via Transferência Eletrônica de Documentos (TED)”, conta o gestor.

Sistema de auditoria, para identificação de acessos e ações realizadas pelos usuários das financeiras, cadastramento de respostas automáticas e exibição de pontos de mensagens que podem apresentar possíveis erros de operação são outros recursos da solução.

Machado garante que a plataforma é a única presente na Rede do Sistema Financeiro Nacional (RSFN).

Garantia importante para uma empresa como a Agiplan Financeira, que atende a mais de 450 mil clientes ativos no crédito consignado, incluindo aposentados e pensionistas do INSS, militares, funcionários públicos e empresas privadas.

Uma carteira que leva a financeira a manter o foco na conformidade e na governança, como demonstrou em um projeto contratado no ano passado junto à gaúcha Rhino para agilizar, uniformizar e gerir suas áreas e processos de custos de serviços corporativos.

No projeto, a mesma metodologia que permite criar um catálogo de serviços de TI também permitiu à Agiplan criar um CSC – Centro de Serviços Compartilhados – estamos falando do ITIL.

No caso da empresa de crédito, os métodos de excelência em governança foram aplicados a serviços compartilhados entre departamentos da companhia, que antes atuavam dispersos.

“Muitas solicitações eram feitas por meio de mecanismos informais, como ligações telefônicas e e-mails entre funcionários, e isso prejudicava a qualidade, provocando atrasos e, às vezes, retrabalho”, explicou ao Baguete, na época, o diretor executivo e de TI da Agiplan, Rafael Fossati.

Para superar esses problemas, a área de TI e o departamento de Suporte Operacional da empresa atuaram juntos, em um trabalho que culminou na criação do CSC, que, segundo Fossati, acabou funcionando como “um modelo de boas práticas para as demais áreas”.

Hoje, por exemplo, usuários em viagem que não conseguem abrir um chamado para o Suporte Operacional da Agiplan pelo sistema, ligam para a Central de Serviços de TI, que também pode atendê-los.

O CSC também atua no controle de solicitações e na comunicação entre quem pede e quem atende aos chamados, já que somente as pessoas responsáveis estão envolvidas nessa comunicação.

No projeto, a Rhino atuou na modelagem de processos e geração dos catálogos de serviços de cada área.

A Agiplan Financeira integra um grupo também formado por Agiplan Promotora, Agiplan Card, Agiplan Seguros e Agiplan Mercantil.

Com matriz na capital gaúcha e 60 filiais em 22 estados brasileiros, mais o Distrito Federal, a financeira também tem oito call centers, cerca de dois mil correspondentes e 850 colaboradores diretos.