Até 2016, concessionária quer monotrilho ligando terminais. Foto: divulgação.

A concessionária responsável pela administração do aeroporto internacional de Guarulhos, anunciou planos para a construção de um monotrilho de transporte dentro do complexo aeroportuário. O sistema elevado sobre trilhos tem estimativa preliminar de custo de US$ 40 milhões e deve estar em operação até 2016.

O monotrilho interligar os os dois terminais de passageiros existentes (T1 e T2), o novo terminal em construção (T3) e o terminal remoto (T4), que fica a dois quilômetros da estrutura principal.

O plano com o meio de transporte é fazer com que nenhum passageiro precise gastar mais de dez minutos entre uma e outra parada, afirmou Antônio Miguel Marques, presidente da concessionária, em matéria do Valor.

O projeto ainda prevê extensões que abrigará futuras estações da CPTM e do trem de alta velocidade Rio-São Paulo-Campinas.

"É um projeto factível, mas intimamente ligado à chegada do sistema ferroviário ao aeroporto", destacou Marques.

Com a ampliação do aeroporto, a população permanente (funcionários) do local deve subir de 30 mil para 50 mil pessoas com a plena operação do TPS3 e do novo terminal de cargas, o que reforça essa necessidade.

A população flutuante (passageiros e acompanhantes) já alcança 300 mil pessoas por dia, completa Marques.

FERROVIAS

O governo de São Paulo deve liberar, a partir do ano que vem, um ramal de 11,5 quilômetros da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), com capacidade prevista para 120 mil passageiros por dia e ligação prevista com a estação Engenheiro Goulart, na zona leste de São Paulo.

Além disso, o governo federal prometeu colocar um trem-bala em operação até 2020, passando pelos aeroportos de Viracopos, de Guarulhos e do Galeão.

RECEITA

A Invepar investiu cerca de R$ 800 milhões pela concessão do aeroporto de Guarulhos, uma oferta ousada, na avaliação de muitos. A criação do monotrilho faz parte do plano comercial da concessionária.

Hoje a receita do maior aeroporto do país fica perto de R$ 1 bilhão por ano. "Achamos possível quadruplicar esse valor no horizonte de dez anos."

A concessionária anunciou recentemente o projeto de instalação de dois hotéis no novo T3, um deles ficará no espaço alfandegado do aeroporto - a famosa zona de embarque, e o outro será na área externa.

Por enquanto, a Infraero ainda gere o aeroporto e toma as decisões, com acompanhamento da nova concessionária privada.

A partir de 14 de novembro, os papéis de invertem, às vésperas de um feriado que juntará a Proclamação da República com o Dia da Consciência Negra.