RS terá incentivos para empresas nascentes. Foto: .flickr.com/photos/ronai/289353776/

O governo do Rio Grande do Sul prepara um programa de incentivo a empresas nascentes de tecnologia, no moldes na iniciativa nacional Startup Brasil, que deflagrou projetos também no Rio de Janeiro e Minas Gerais.

É o que revela uma matéria da Zero Hora desta terça-feira, 31. Não há dados concretos sobre o programa, mas o projeto foi confirmado pelo secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação, Cléber Prodanov.

De acordo com Prodanov, reuniões em janeiro definirão o funcionamento do programa. 

Segundo a Zero Hora, o programa deve ter verbas de entre R$ 10 milhões e R$ 20 milhões, oriundos dos cofres públicos e iniciativa privada, com aportes de capital de entre R$ 100 mil e R$ 200 mil para startups de todo país.

Os programas mineiro e carioca, já em operação, ofereceram R$ 80 mil e R$ 100 mil, respectivamente.

Qualquer um dos valores especulados pela Zero Hora seria um grande aporte em um estado com orçamento apertado.

O PGTec, programa que apoia parques tecnológicos tem um orçamento na faixa dos R$ 12 milhões, por exemplo.

Investir em parques tecnológicos, que tem ativos físicos e normalmente envolvem instituições de ensino superior e prefeituras é uma atividade de risco bem menor do que dar dinheiro a fundo perdido para planos de negócios de jovens de 20 e poucos anos, no entanto.

As iniciativas regionais fazem parte de uma “guerra” entre os estados para oferecer ambientes mais atrativos para startups de tecnologia, uma vez que o Startup Brasil, programa nacional que até 2015 aportará cerca de R$ 60 milhões em 300 novas empresas, não faz delimitações regionais.

Empresas gaúchas tem tido um desempenho tímido no Startup Brasil, onde o destaque é para empresas paulistas.

Na primeira edição, na qual foram selecionadas 56 empresas, entraram no grupo cinco gaúchas, número que caiu para uma na segunda edição, na qual foram escolhidas 50.

O capital privado para o programa gaúcho deve vir das aceleradoras de empresas. Hoje existem quatro no Rio Grande do Sul, todas fundadas em 2013.

Dois ex-TBCS Investimentos fundaram ainda em novembro a StartupsBR. A primeira foi a Estarte.me, aberta no início do ano por Maurício Centeno, um ex-executivo do Grupo RBS, com a meta de investir até R$ 20 mil em cinco empresas nascentes por vez.

Completam a lista WOW, que tem planos de investir R$ 2,5 milhões a cada dois anos, a Ventuir.net, onde o projeto é R$ 9 milhões até o final de 2015 e a Pipa, que se divide entre a capital gaúcha e o Rio de Janeiro e não anunciou metas de investimento.