Somente em 2010, o Bradesco deve investir R$ 250 milhões em biometria.

O objetivo da empresa é expandir o uso da biometria nos caixas eletrônicos.

Até o final de 2011, aproximadamente 70% dos seus ATMs devem estar equipados com leitores que reconhecem os correntistas pelas veias da palma da mão.

Atualmente, 12.500 dos 30.650 dos ATMs instalados em agências estão equipados com leitores da tecnologia de biometria adotada pelo banco.

Além disso, a empresa investirá também na compra de oito mil terminais equipados com o sistema PalmSecure, desenvolvido pela fabricante japonesa Fujitsu.

Com a novidade, os clientes são identificados por meio da característica vascular da mão, capturada pelo sensor infravermelho do dispositivo.

O investimento também pode dispensar o uso de senha.

“Pensamos em eliminar as senhas porque constatamos que o reconhecimento biométrico é seguro. Em mais de dois anos, não registramos nenhum caso de fraude”, afirmou o vice-presidente de TI do Bradesco, Laércio Albino César, ao Computerworld.