A AeC, especializada em BPO, soluções e serviços integrados de contact center, consultoria e software, fechou 2009 com receita de R$ 206 milhões, um crescimento de aproximadamente 10% sobre 2008.

A expansão ficou bem abaixo do previsto pela companhia de Belo Horizonte no início do ano passado, quando a previsão era chegar a uma receita de R$ 250 milhões.

Apesar disso, a empresa se mantém otimista: para este ano, a projeção é chegar aos R$ 300 milhões, isso se não houver aquisições: a AeC não descarta a possibilidade de comprar duas empresas de serviços de TI.
Neste caso, a receita poderá chegar a R$ 400 milhões, conforme o sócio da companhia mineira, Cassio Rocha de Azevedo.

Segundo o executivo, no ano passado a área de contact center representou, sozinha, 80% do faturamento da empresa – média que deverá ser mantida em 2010.

Azevedo credita o desempenho da área de contact center à ampliação da oferta de serviços e à conquista de novos clientes nas áreas de finanças, telecomunicação e governo.

“Hoje contamos com 5,3 mil PAs. A expectativa é chegar a 6 mil até o final do ano”, afirma Azevedo. “Também estamos estudando a abertura de um novo site. Toda a nossa atual estrutura está em Belo Horizonte, mas a partir de agora pretendemos investir também em outros mercados que oferecem boa oferta de mão-de-obra em contact center”, antecipa.

Já os outros 20% foram provenientes das divisões de consultoria/licenciamento de software, setores que deverão ganhar ênfase este ano com o lançamento da nova solução de gestão hospitalar da AeC, o Hospitale.

A solução é voltada ao acompanhamento do paciente desde o agendamento da consulta ou cirurgia até o faturamento das contas geradas por ele.

O produto tem como foco clínicas e hospitais privados ou públicos e será vendido no modelo tradicional de licenciamento, ou na modalidade SaaS – esta, com foco em pequenos hospitais.

Ainda em 2010, a AeC também pretende fortalecer a divisão de licenciamento de software, que recentemente ganhou clientes como Funasa, Ministério dos Transportes, Secretaria do Planejamento do Ceará e Justiça Federal do Rio de Janeiro.

“Em janeiro, vencemos a licitação para prover as soluções de infraestrutura de TI para a Cidade Administrativa do Estado de Minas Gerais, complexo de gestão do governo mineiro que reunirá os principais órgãos da administração estadual, no valor de R$ 28 milhões”, informa Azevedo.