Diponto recomenda cautela e alternativas antes de adotar o ponto eletrônico

O ciclo de adiamentos da vigência do ponto eletrônico recomeça.

Adiado pela terceira vez nessa quinta-feira, 01, com nova data marcada para 03 de outubro, o prazo leva fabricantes de equipamentos a recomendar cautela aos empresários antes de investir na troca.

Contrariando uma lógica comum no mercado, de que a antecipação traz vantagens, a orientação do diretor da fabricante Diponto é que aqueles que possuam equipamento eletrônico deixem qualquer decisão para o último instante.

“A incerteza é muito grande hoje porque não existem mais fontes confiáveis. Nem sobre o que o Ministério do Trabalho e Emprego diz é possível ter segurança”, diz Márcio Kaiser, da Diponto.

O argumento do MTE para remarcar o começo das novas regras é justamente para dar mais tempo às empresas para se adequarem.

A determinação do Ministério do Trabalho e Emprego normatiza o uso do relógio de ponto eletrônico, obrigando que esses equipamentos tenham um dispositivo para impressão de tíquete com horário de entrada e saída do trabalhador

 A discussão começou há mais de dois anos, mas até agora não houve uma posição definitiva. Nesse contexto, Kaiser sugere a busca de alternativas.

“Estamos indicando que as pessoas comprem ou aluguem um equipamento Dataprint, por exemplo, que não é afetado pela portaria e pode ser usado por um período experimental”, completa.