A indústria de eletrônicos e equipamentos de comunicação inverteu no mês de março o recuo apresentado em fevereiro, apontam dados do IBGE divulgados nessa terça-feira, 03.

No terceiro mês do ano, a indústria eletrônica avançou 10,1%, invertendo o recuo de 3,1% de fevereiro. A movimentação foi percebida em 13 dos 27 setores avaliados pelo Instituto.

Em geral, a produção industrial subiu 0,5% entre fevereiro e março, na série com ajuste sazonal, mas teve queda de 2,1% perante o terceiro mês de 2010. Segundo o IBGE, foi o primeiro resultado negativo desde outubro de 2009.

Máquinas e equipamentos (1,8%), calçados e artigos de couro (9,2%), outros equipamentos de transporte (3,6%), produtos de metal (2,5%) e máquinas, aparelhos e materiais elétricos (2,9%) também apresentaram crescimento.

A principal pressão negativa ficou com o setor de alimentos (-3,9%), seguido por equipamentos médico-hospitalares, ópticos e outros (-9,2%), indústrias extrativas (-1,9%), perfumaria, sabões e produtos de limpeza (-6,0%) e bebidas (-2,8%).

Com exceção do setor extrativo, que apontou o terceiro recuo consecutivo, os demais ramos com queda na produção em março registraram expansão no mês anterior: 6,5%, 9,9%, 0,5% e 1,4%, respectivamente.

Entre as categorias de uso, ainda na comparação com fevereiro, os setores produtores de bens de consumo duráveis (4,1%) e de bens de capital (3,4%) registraram as taxas mais elevadas.

O primeiro eliminou a perda de 1,1% observada no mês anterior, e o segundo acumulou ganho de 7,4% em três meses consecutivos de expansão. Estes segmentos atingiram o patamar mais elevado desde o início da série histórica.