Ana Zam;per

A IBM quer ampliar o uso do leasing como ferramenta de compra de tecnologia.

O movimento para estimular a modalidade de financiamento será feito via canais, na esteira do programa de regionalização que levou a multinacional a sair das capitais e abrir filiais em cidades como Joinville, Londrina, Passo Fundo e Pelotas nos últimos meses.

A chave da estratégia é o Rapid online Financing, um site pelo qual parceiros da IBM podem simular prazos e valores para os diferentes tipos de leasings, sem necessidade de conhecimento sobre finanças.

Antes, o processo envolvia troca de propostas entre os canais a IBM.

“Isso pode ser um grande diferencial competitivo para investimento de pequenas e médias empresas”, explica a diretora do IBM Global Financing Brasil, Ana Zamper.

No país, o braço de financiamentos da companhia, com US$ 36 bilhões em ativos, atua por meio do Banco IBM.

Ana espera que o modelo de compra por leasing, hoje sinônimo de compra de carros, se popularize também para a compra de tecnologia, apontando as vantagens econômicas do modelo para pequenas empresas.

“O leasing dilui o investimento em tecnologia ao longo de meses, de forma que a empresa paga enquanto obtém os ganhos competitivos, sem comprometer o fluxo de caixa”, explica a executiva.

Outra vantagem seria optar por retornar as máquinas ao final do leasing em vez de fazer a aquisição,  que traria uma redução de 10% no custo final e a eliminação da necessidade de dar destino às máquinas, uma vez que a IBM assume essa responsabilidade.

As máquinas devolvidas para a IBM são recondicionadas em Hortolândia pela área de Remarketing.
 
O Banco IBM é a única financiadora de tecnologia do Brasil para serviços e produtos de terceiros.

De 2009 para 2010, o crescimento no país foi de 40% em volume de novos contratos.