A Scopus Tecnologia, empresa de TI controlada pelo Bradesco, ampliou suas operações com a abertura de um novo prédio para a matriz paulista, uma sede em Santana do Livramento e duas regionais, em São Paulo e Cuiabá.

Com isso, a empresa passa a contar com 154 pontos de atendimento próprios no país, além da matriz.

Região-foco

A abertura em Livramento reforça a importância do Sul para a companhia: além da sede na cidade da fronteira gaúcha com o Uruguai, a empresa também mantém pontos de atendimento em Porto Alegre, Caxias, Passo Fundo, Pelotas, Santa Maria, Santo Ângelo e São Borja.

Já no Paraná, a Scopus abriu, há cerca de dois anos, uma regional em Maringá.

No mesmo estado, a organização também está presente em Curitiba, Cascavel, Umuarama, Guarapuava, Foz do Iguaçu e Londrina.

Santa Catarina não fica de fora: além de um laboratório em Florianópolis, que integra a rede de 11 estabelecimentos do gênero que a empresa mantém no país, a Scopus também tem presença em Blumenau, Chapecó, Joaçaba, Joinville, Lages e Tubarão.

Logística forte

Tanta capilaridade é motivada pela demanda de atendimento a mais de 500 mil equipamentos sob contrato, cerca de seis mil reparos mensais e mais de 70 mil chamados onsite e outros 350 mil remotos, em média, por mês em todo o país.

O suporte ao atendimento também vem de um estoque reforçado, que soma mais de 300 mil itens, entre equipamentos, peças e componentes.

E foi para garantir a logística de atendimento baseada neste estoque que a companhia investiu no novo prédio de São Paulo, que é 100% dedicado a esta área.

Do novo edifício, a empresa comandará uma movimentação de itens que, só entre janeiro e setembro deste ano, compreendeu 2,3 milhões de peças e equipamentos, além de outros 4,8 milhões de produtos consumíveis para as unidades atendidas pelo logística da Scopus.

Empregando cerca de 3,6 mil colaboradores, a Scopus fechou o primeiro trimestre deste ano com faturamento recorde de R$ 141 milhões, alta de 40% sobre o mesmo período de 2010.

No ano passado, a companhia encerrou com receita de R$ 443 milhões e crescimento anual de 18%.

Nisso, a Unidade Serviços representou 75% da receita total, enquanto a Unidade Soluções foi responsável pelos 25% restantes.

Exterior
No final de abril passado, a Scopus também iniciou sua estratégia de internacionalização.

A corporação começou pelo México, com a inauguração de uma unidade na capital do país e dois escritórios em Monterrey e outro em Guadalajara.

A escolha pelo país - onde já atende a clientes como Banco Ibi, braço financeiro da rede de lojas C&A que foi comprado pelo Bradesco; e a fabricante de impressoras Lexmark - não é à toa: o México é o segundo maior mercado de TI da América Latina, com faturamento de US$ 1,5 bilhão para o setor no primeiro semestre de 2010 (dados da IDC).