Os conceitos que levaram a Apple a se tornar a empresa mais valiosa do mundo – aposta na consumerização, obsessão pelo design, inovação desruptiva – podem funcionar para produtos menos “sexys” do que reprodutores de mp3, smartphones e tablets?

Ao conhecer o caso da Nest, empresa criada pelo designer responsável pelo lançamento do iPod, produto que desatou a volta à ribalta da Apple em 2001, a resposta parece ser sim.

O homem em questão é Tony Fadell, palestrante do SolidWorks World 2012, desta segunda-feira, 13, e causador de um rebuliço no mercado americano com o lançamento de um termostato.

O produto lançado pela Nest em outubro regula a temperatura de ambientes domésticos, mas terminam aí suas semelhanças com a oferta da concorrência, que ao seu lado parece tão sexy quanto um ornitorrinco.

O Nest é um termostato redondo no qual o usuário regula a temperatura girando um seletor, como se estivesse operando um iPod colado na parede.

Dentro, o aparelho tem software que armazena e reconhece padrões, programando a temperatura ao longo do dia, além de um sensor de movimentos que permite saber se a casa está vazia e uma conexão wifi através da qual é possível fazer a regulagem remotamente, via Internet, smartphones e tablets, tanto Android como iOS.

“Quando eu disse que meu próximo projeto era um termostato, me disseram que eu estava louco”, afirma Fadell. “Nós criamos um termoestato para a geração iPhone”, completa.

As similaridades com o produto da Apple vão além do design, para entrar também na maneira como a novidade tem sido vendida e como espera se propagar.

Até agora disponível só nos Estados Unidos, a novidade sai por US$ 249, muito acima dos produtos da concorrência, que na loja online da varejista Home Depot podem sair por desde US$ 20 até US$ 100 por um produto mais sofisticado.

Tradicionalmente, a compra do termostato é feita pelos empreiteiros responsáveis pela obra.

Como já aconteceu com os iPhones nas empresas, a estratégia da Nest é fazer seu marketing voltado para o consumidor final, que no final exigirá o equipamento dos construtores, como antes pediu até o gerente de TI autorizar a troca do BlackBerry corporativo por um iPhone.

“O termostato é um mercado de US$ 250 milhões nos Estados Unidos e 90% das vezes o consumidor não decide nem se importa com o que vai usar”, aponta Fadell.

Até agora, a estratégia tem sido um aparente sucesso. O fundador startup afirma que o estoque para cinco meses esgotou em 72 horas no lançamento e nos últimos meses o produto tem estado constantemente em falta nas prateleiras da rede Best Buy, assim como na loja online.

Como a Nest não revela suas vendas, críticos insinuam que a escassez pode ser uma estratégia deliberada para gerar buzz e mais desejo ainda pelo produto.

É impossível saber se é verdade ou não, mas se for não deixa de ser um novo tributo à Apple, notória pela sua capacidade de transformar seus lançamentos em acontecimentos mídiaticos mobilizando multidões.

Em meio a todo o hype sobre o quão sexy é o termostato da Nest – que no momento é uma empresa com pouco menos de 100 colaboradores, oito deles designers usando o software de CAD 3D da DS SolidWorks – quase passa desapercibido o aspecto ecológicamente correto da coisa.

Fadell garante uma economia média de 10 a 30% na conta de luz no final do mês com o uso do aparelho.

* Maurício Renner cobre o SolidWorks World 2012 a convite da DS SolidWorks