Alunos do Senai Joinville usam thins da Ecopc. Green IT no foco!

As duas novas salas informatizadas que acabam de ser instaladas na unidade do Senai Joinville vão economizar mais de 59,6 mil KWh nos próximos três anos, graças à associação thin client e virtualização.

A instituição adquiriu 40 thins da paulista Ecopc, que consomem, no máximo, 5KW/hora, enquanto o consumo mínimo de um PC fica em cerca de 120 KW/hora, segundo Everton Ramalho, diretor Comercial da empresa.

Economia que o coordenador dos cursos técnicos de Informática e Automação Industrial do Senai Joinville, Vicente D'Onofrio, já botou na ponta do lápis: segundo ele, os novos computadores permitirão reduzir o consumo de energia da escola em até 95%.

“Além disso, com a adoção da tecnologia de virtualização, os 40 thins evitarão a emissão de 45 toneladas de CO2, o equivalente ao plantio de 224 árvores”, destaca D’Onofrio.

... mais economia...
Isso para não falar na economia gerada na compra das máquinas: o investimento realizado pelo Senai catarinense não é divulgado, mas

Ramalho avalia que, em média, um thin client da Ecopc sai por algo em torno de R$ 590, enquanto um PC minimamente equipado não baixa dos R$ 850.

... e mais economia ainda
Outro corte de gastos que as novas máquinas trarão à instituição catarinense se refere à manutenção.

“Para ter uma ideia, a própria equipe do Senai fez toda a instalação do novo parque”, conta Ramalho. “Temos uma rede de canais de serviços em todo o país, mas o cliente que contar com profissionais minimamente entendidos em informática pode dispensá-los”, complementa.

No Senai joinvilense, participaram da implantação não só colaboradores da área de informática e suporte técnico da instituição, mas também professores e alunos do curso de Aprendizagem Industrial em Suporte e Manutenção em Microcomputador e Redes Locais.

“Eles tiveram a oportunidade de acompanhar os testes e aprender mais sobre a nova tecnologia”, afirma D’Onofrio.

O que faz dos thins tão econômicos e simples de operar é a composição de hardware: a fabricação inclui monitor, periféricos e terminal de virtualização, e pronto.

Tudo fica ligado a um servidor central, o que desobriga os computadores de terem discos rígidos próprios e memória individual.

Para todos
Assim, os thin clients permitem a adoção por pequenas empresas de conceitos até pouco tempo tratados apenas pelas grandes, como é o caso da Green IT, avalia Ramalho.

E quando fala de “pequenas”, o diretor Comercial da Ecopc não está brincando: o menor case de implantação da companhia foi realizado em uma oficina mecânica, com a instalação de duas máquinas.

“Tendo mais de um computador, a empresa já pode adotar nossa tecnologia”, afirma o executivo.

Ferrari no engarrafamento
Isto porque, segundo Ramalho, o thin client atende à exata demanda necessária.

“Em vários casos envolvendo computadores tradicionais, grande parte da memória individual das máquinas não é usada. É como querer usar uma Ferrari, que consome muito combustível, em uma rua de trânsito lento", compara.

Grandes também
Mas como nem só de pequenas empresas se alimenta uma carteira de clientes, a da Ecopc soma cerca de 200 companhias em todo o país, incluindo multinacionais, como a Prot-Cap, do setor de proteção individual, que usa 90 thins da fabricante; Universidade Federal de Feira de

Santana, que adotou 200 máquinas; e Hospital Mboi Mirim, de São Paulo, onde 37 thins já estão em uso só no pronto socorro, com previsão de ampliação do uso da tecnologia.

O próprio Senai Joinville é outro exemplo de usuário de grande porte: a instituição, que oferece formação técnica, superior em TI e de pós-graduação, registrou mais de 90 mil matrículas em 2010, quando realizou 173 mil ensaios laboratoriais, 108 mil horas de consultorias ambientais, tecnológicas e de gestão.

A entidade também atendeu a 532 indústrias na captação de recursos de inovação.

Pode crescer mais!
Apesar das vantagens que apresenta, o mercado de computadores ecológicos ainda é incipiente em relação aos 19 milhões de máquinas tradicionais hoje em uso no Brasil, segundo dados do IDC e do Gartner.

No país, só 2% dos computadores são virtualizados, atualmente, mas há o que comemorar, já que há dois anos tal era três vezes menor.

Cenário que tende a aquecer ainda mais, segundo Ramalho.

“Para o ano que vem, pesquisas apontam que a adoção da tecnologia chegue a 5% do mercado", aposta o executivo.