O presidente da HT Micron, Ricardo Felizzola

A HT Micron, fábrica de semicondutores sul-coreana instalada no Tecnosisnos, anunciou investimento de mais de US$ 15 milhões para antecipar em um ano o início da produção de cartões de memória de 2 e 4 GB no estado.

Com isso, a fabricação em São Leopoldo deve começar em julho próximo.

Para garantir a antecipação, o investimento será destinado à ampliação do laboratório provisório onde a companhia opera atualmente, que irá passar de 300 metros quadrados para 1 mil metros quadrados.

Conforme declarou o presidente do Conselho da sul-coreana, Chag Ho Choi, em reunião na terça-feira, 14, com o governador Tarso Genro, os recursos também serão aplicados à compra de maquinário.

Já o presidente da HT Micron, Ricardo Felizzola, afirma que a ampliação do laboratório em São Leopoldo vai demandar contratações de pelo menos 70 colaboradores, o que elevará para cerca de 100 pessoas o contingente da unidade.

“Com a antecipação, os produtos chegarão ao mercado no final do mês de julho”, destacou Felizzola.

Na planta gaúcha, a HT Micron produz hoje uma média de três milhões de microchips para cartões telefônicos e bancários por mês.

Com a ampliação da unidade e a fabricação dos cartões de memória para computadores, a previsão é chegar à marca de 100 mil módulos mensais, no modelo de importação de matéria-prima e encapsulamento de chips na operação leopoldense.

Mais uma?

Há cerca de um mês, um movimento da prefeitura de São Leopoldo indicou a possibilidade de a cidade estar em vias de receber uma segunda fábrica de encapsulamento de chips.
 
Segundo informações da colunista de economia de Zero Hora, Maria Isabel Hammes, a prefeitura teria entregue ao governo estadual um pedido de isenção fiscal para uma empresa do ramo.
 
Também teria sido encaminhado um pedido de financiamento no valor de R$ 7 milhões para a construção de uma fábrica em parceria com a Unisinos.
 
A empresa, cujo nome não foi revelado por Hammes, teria investimentos projetados de US$ 120 milhões, com previsão de gerar 750 empregos.
 
Ainda segundo Isabel, o investimento ainda estaria sendo disputado por outro estado.
 
Questionado sobre o tema pela reportagem do Baguete Diário, o secretário de Desenvolvimento Econômico e Social, Fernando Menezes, afirmou desconhecer o assunto.