A Eurofarma fechou a aquisição de 600 iPads, a um custo total de cerca de R$ 1,5 milhão.

De acordo com a indústria farmacêutica, é a maior compra de tablets da Apple feita por uma empresa brasileira.

“É uma revolução no setor farmacêutico. Com o iPad, os propagandistas poderão fazer demonstrações de produtos com interatividade junto à classe médica”, explica Roberta Junqueira, Diretora Comercial de Prescrição Médica.

Segundo Roberta, os iPads serão usados para controle do trabalho e treinamentos, além de reduzir as impressões em aproximadamente 55 toneladas de papel.

Os 1,5 mil propagandistas da Eurofarma realizam uma média de 380 mil contatos mensais com médicos.

Em alta
O número de empresas adotando o uso de tablets deve dobrar no primeiro trimestre de 2011, de acordo com um relatório da ChangeWave Research, que ouviu 1,6 mil profissionais responsáveis pelos gastos de TI em suas corporações.
 
Segundo a pesquisa, 14% das companhias entrevistadas planejam comprar o dispositivo até março deste ano, enquanto 7% já os fornecem para alguns funcionários – índice superior em um ponto percentual ao constatado em agosto de 2010.
 
O estudo, realizado em novembro, ainda revelou que a Apple permanecerá dominante no uso de tablets no mercado corporativo, mesmo com a chegada de outras grandes fabricantes.
 
Entre as empresas que planejam comprar um aparelho até março, 78% citaram que o dispositivo preferido seria o iPad. Em segundo lugar ficaram empatados o Streak, da Dell, e o PlayBook, da Research in Motion com 9% dos votos. Em terceiro lugar ficou o Slate, da Hewlett-Packard com 8%.