Divulgação, PNNL/Flickr

Dados do Gartner indicam que a receita mundial de semicondutores chegou a US$ 306,8 bilhões no ano passado, 1,8% de aumento sobre 2010.

Segundo o instituo, os 25 maiores do ramo cresceram mais rápido que a indústria como um todo, correspondendo, juntos, a 69,2% do ganho total em 2011. Metade do crescimento, no entanto, veio de fusões e aquisições.

Entre os segmentos de mercado, os microprocessadores para computadores tiveram um dos maiores aumentos, com 14,2% do total, graças à integração gráfica no mercado de PCs.
 
No topo da lista está a Intel, com 20,7% das vendas.
 
Logo atrás está a Samsung (8,9%), seguida por Toshiba (3,8%), Texas Instruments (3,8%), Renesas Electronics (3,5%), Qualcomm (3,3%), STMicroelectronics (3,1%), Hynix (3,1%), Micron (2,5%) e Broadcom (23%).
 
Mercado que deve chegar a US$ 316 bilhões em 2012, o segmento está na mira do Brasil e, em especial, do Rio Grande do Sul.
 
Dados de outra consultoria, a KPMG, indicam que o Brasil deve ter expansão no setor.
 
Somente no Rio Grande do Sul, a HT Micron, fábrica de semicondutores sul-coreana instalada no Tecnosisnos, anunciou investimento de mais de US$ 15 milhões para antecipar em um ano o início da produção de cartões de memória de 2 GB e 4 GB no estado.
 
Também espera-se para este ano o funcionamento da Ceitec, instalada em Porto Alegre.
 
Além disso, na semana passada, o ministro da Ciência e Tecnologia, Marco Antonio Raupp, esteve no estado para anunciar a destinação de R$ 15 milhões para a primeira fase de um instituto focado na pesquisa de semicondutores, instalado em São Leopoldo.