A Intel, maior fabricante de chips do mundo, teve uma receita de US$ 14,3 bilhões no terceiro trimestre. O resultado representa um crescimento de 29% em um período de 12 meses.

Usando o padrão GAAP, o lucro líquido subiu 17%, para US$ 3,5 bilhões.

Em comunicado, o executivo-chefe da companhia, Paul Otelini, comemorou o fato de a companhia ter ultrapassado, pela primeira vez, uma receita de US$ 14 bilhões.

Segundo o executivo, o resultado foi impulsionado pela venda de notebooks, equipamentos para centros de dados de empresas, mobilidade e computação em nuvem.

A venda de processadores e placas-mãe para computadores de mesa e notebooks teve um crescimento de 22%, chegando a US$ 9,4 bilhões. Os produtos que equipam servidores - as máquinas que processam informações - tiveram um incremento de 15%, para US$ 2,5 bilhões.

Os processadores Atom e componentes relacionados ao seu funcionamento, usados principalmente nos netbooks, tiveram receita de US$ 269 milhões, uma queda de 32% em um período de 12 meses.

No terceiro trimestre, a companhia distribuiu US$ 1,1 bilhão em dividendos e usou US$ 4 bilhões para um programa de recompra de ações. Os papéis da companhia fecharam em alta de 0,52%, cotados a US$ 23,4.