As chuvas na Tailândia, que já mataram 500 pessoas no país, terão efeitos no preço dos PCs oferecidos no varejo brasileiro durante o Natal 2011.
 
O país detém 45% do mercado mundial de HDs, além de fabricar também os componentes usados para montar os discos no Brasil, onde Samsung, Western Digital e Seagate já tem fábricas.
 
Com a falta de HDs, o preço no mercado brasileiro já subiu 50%. Com o repasse do custo da alta do componente, que tipicamente representa 10% do valor total, cada máquina pode sair por até R$ 100 mais caro.
 
De acordo com o analistas do IDC ouvidos pelo Valor Econômico, a expectativa é de que as empresas de capital nacional sejam as primeiras a fazer o repasse.
 
As companhias brasileiras são prejudicadas primeiro porque tem contratos de menor prazo com os fabricantes, que, em caso de queda, direcionam seus esforços para cumprir os maiores contratos.
 
Mesmo assim, segundo o IDC, já no começo de 2012 a falta deve afetar um mercado como um todo, com o auge dos problemas esperado para fevereiro.
 
Os números
A estimativa é de que as enchentes tenham causado uma redução no fornecimento global de HDs de pelo menos 60 milhões de unidades neste trimestre. A demanda é avaliada em 160 milhões de equipamentos em todo o mundo a cada período de três meses. No Brasil, o consumo é estimado em 17 milhões de unidades por ano.