Valtuir Caetano

A porto-alegrense Schalter, que atua no desenvolvimento, fabricação e venda de soluções de automação comercial, bancária, industrial e de informática, projeta mais que dobrar, este ano, o faturamento de R$ 4,1 milhões obtido em 2010.

Para isso, aposta em duas frentes de negócio: terminais de auto-atendimento, segmento no qual a empresa já atende a clientes como Colombo, Petrobrás, Junta Comercial de São Paulo, Procon-SP e várias concessionárias da Eletrobrás; e thin clients, cuja carteira reúne nomes como Atacadão e Rede Buffon.

“Nosso principal mercado são os terminais ATM – vender um terminal equivale a vender aproximadamente 20 thins. Entretanto, hoje, cerca de 80% do faturamento vem dos thins, que foram nossa primeira linha de negócio”, destaca Valtuir Caetano, diretor da Schalter.

Self service

Os terminais de auto-atendimento não ficam atrás: focados no pagamento de contas via cartão de crédito e débito, venda de produtos como ingressos e pins de jogos, recargas, entre outros serviços, as máquinas têm no varejo seu principal consumidor.

Contratões
A Colombo, por exemplo, usa os terminais para auto-atendimento no pagamento de carnês em suas lojas.

“Também fechamos um contrato recentemente com uma grande rede em São Paulo que vai implantar mais de 1 mil equipamentos para venda de ingressos, recargas e outros em estações de metrô e nos shoppings Frei Caneca e Center Norte”, ressalta Caetano.

Para fomentar o crescimento da área de terminais, a Schalter investe na venda direta.

Força no canal
Já em thin clients, os canais são os principais responsáveis.

“Hoje, temos em torno de 30 revendas, mas a meta é encerrar 2011 com aproximadamente 50”, ressalta o diretor.

Um dos revendedores é a ATZ, que acaba de realizar um projeto para a Buffon, que trocou as estações de trabalho dos 46 postos de sua rede por mais de 200 thins Schalter.

“As máquinas foram aplicadas a soluções de frente de caixa, trazendo economia, já que consomem apenas 7 watts de energia elétrica/hora, com tempo de uso três vezes maior que um computador tradicional”, comenta o gerente de TI do Buffon, Silvio Cavalheiro.

Outro contrato recente na área de thins – este intermediado pelo canal Sysdata - foi fechado com a catarinense Copobrás, especializada em produtos descartáveis plásticos que, com as máquinas, reduziu em 50% os gastos com manutenção do parque.

“Os thins substituíram os computadores do setor de produção em nossas três filiais e na matriz, em São Ludgero”, afirma Jorge Corrêa, gerente de TI da Copobrás, que agora pretende instalar os thins também nos escritórios da rede.

Carteiraço!
Em todas as linhas de negócio, a carteira de clientes da Schalter passa, hoje, dos 700 nomes.

Capital e interior
A empresa mantém em Porto Alegre uma unidade de integração e montagem de thin clients e terminais de auto-atendimento, além de uma fábrica em Erechim, onde produz placas e componentes mecânicos e eletrônicos para terceiros.

Hardware + software
Quanto aos softwares integrados às soluções, a Schalter tanto desenvolve, contando para isso com seis programadores internos, quanto terceiriza.

“Esta é uma demanda analisada projeto a projeto”, conta Caetano.

Há mais de 20 anos no mercado, a companhia tem diversificado o portfólio com mais intensidade desde 2007, segundo o diretor.

Foi de lá para cá que os investimentos focaram tendências como TI verde, virtualização, cloud computing e auto-atendimento.

“Tais investimentos diversificaram nossa oferta e impulsionaram nosso crescimento que, só nos primeiros cinco meses deste ano, foi de 68% sobre o mesmo período de 2010”, finaliza Caetano.