O braço executivo da União Europeia anunciou na segunda-feira, 26, uma investigação formal sobre a IBM em uma possível prática anticompetitiva da empresa no mercado de mainframes.

A investigação se baseia nas acusações da T3 Technologies, desenvolvedora de mainframes, e da TurboHercules, fabricante de sistema operacional para mainframes que desenvolve software baseado na tecnologia de código aberto Hercules, da própria IBM.

Ambas alegam que a multinacional se nega a liberar o código do Hercules para que ele rode em outros mainframes o que, na visão da Comissão Européia, impede a participação de outras empresas no mercado europeu de mainframes e a inovação no setor.

Em entrevista ao Wall Street Journal, a IBM definiu as acusações como “completamente sem mérito” e “impulsionadas por grandes competidores, principalmente a Microsoft”.

Outro processo vem de apuração do próprio órgão regulador europeu e trata de um possível bloqueio de prestadoras de serviços de manutenção terceirizados, informa o TI Inside.

A Comissão alega ter evidências de que a IBM, única fornecedora de equipamentos para seus próprios mainframes, atrasa ou se nega a fornecer peças de reposição de seus computadores para empresas terceirizadas, impedindo o surgimento e a atuação de companhias no setor e atrapalhando a competição no mercado europeu de tecnologia.