A redução dos impostos sobre os tablets produzidos no Brasil não deve chegar aos 30% prometidos pelo governo, segundo o analista da IDC Brasil, Luciano Crippa, que concedeu entrevista ao site da Folha de S. Paulo.

Segundo o analista, a redução de impostos irá impactar os preços entre 10% e 15%.

“O que ela ajuda é por os fabricantes nacionais em pé de igualdade com os multinacionais ou mesmo os produtos importados”, diz Crippa, comentando eventual redução maior de preço ao consumidor final.

Desde o início do ano o governo federal tem feito esforços para baratear os tablets no Brasil.

Além da presidente Dilma Rousseff, que defendeu a faixa de custo final entre R$ 400 e R$ 500, os ministros das Comunicações, Paulo Bernardo, e da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, reuniram-se com a indústria, numa tentativa de estudar alternativas.

No meio do primeiro semestre, o governo editou uma medida provisória dando benefícios fiscais aos tablets feitos em território brasileiro foi publicada, a Receita enquadrou os produtos na Lei do Bem.

O governo espera baratear em até 35% o custo do produto na prateleira.

Leia, abaixo, a matéria completa da Folha de S. Paulo.