Altus: contrato de R$ 115 mi com Petrobras

29/06/2011 13:43

A Altus, de São Leopoldo, acaba de abocanhar um contrato de R$ 115 milhões da Petrobrás.

O maior negócio da história da companhia gaúcha  foi assinado na última terça-feira, 28, e dá à Altus a tarefa de automatizar as oito plataformas da Petrobrás a se originarem dos oito cascos já em produção na cidade de Rio Grande.

Luiz Gerbase

Tamanho da fonte: -A+A

A Altus, de São Leopoldo, acaba de abocanhar um contrato de R$ 115 milhões da Petrobrás.

O maior negócio da história da companhia gaúcha  foi assinado na última terça-feira, 28, e dá à Altus a tarefa de automatizar as oito plataformas da Petrobrás a se originarem dos oito cascos já em produção na cidade de Rio Grande.

É a primeira vez que uma negociação do gênero envolve oito plataformas de uma só vez, o que, segundo o presidente da Altus, Luiz Gerbase, pode se configurar como o maior contrato de automação do mundo.

Na licitação, pesou a favor da empresa gaúcha seu percentual de inteligência e tecnologia nacional: o edital exigia 10% na primeira e 80% na última plataforma, ao que a Altus respondeu com 90% desde o princípio.

Gerbase garante: “Temos gente capaz de fazer produtos com essa sofisticação, como só se faz na Alemanha e EUA”. Segundo ele, para chegar a 100% só faltam chips.

O contrato vai render à empresa leopoldense trabalho até 2017, para quando está previsto o lançamento da última plataforma.

Para atender à demanda da estatal, a companhia sediada no Tecnosinos vai contratar 80 novos colaboradores, ampliando sua equipe - hoje formada por 270 pessoas – tanto na sede quanto na filial de Macaé.

O que vai?
O novo contrato envolve o fornecimento de controladores programáveis, equipamentos auxiliares e programas, além de serviços de implantação das soluções e treinamento dos operadores.

De acordo com o presidente da Altus, os sistemas de automação serão montados com cerca de oito pares de controladores em cada plataforma, que vão gerir em torno de dois mil pontos, no mínimo, em cada instalação.

Futuro submarino
Ainda de acordo com Gerbase, a Altus também já foi convocada para desenvolver soluções para equipamentos submarinos para a Petrobrás.

Entretanto, nesta área o avanço será “cauteloso”, define o executivo.

A companhia leopoldense é integrante da Parit - Participações em Inovação e Tecnologia, que tem 76% de capital gaúcho e 24% do BNDES, agregando também a Teikon e metade da HT Micron, além de manter parceria com a coreana Hana Micron para encapsulamento de chips.

A empresa, segundo Gerbase, conta com mais capacidade tecnológica do que muitos concorrentes mundiais.

Na China, por exemplo, o maior fornecedor que poderia atender a um contrato como este da Petrobrás produz apenas a parte de controladores.

Contratos em série
No entanto, a entrada da Altus no atendimento às demandas do pré-sal – pelo menos no setor de novas plataformas - ocorreu mais recentemente: no dia 02 de junho passado, quando a companhia assinou um contrato de US$ 8,25 milhões para automação da P-58 e P-62.

As plataformas, atualmente sendo montadas em Rio Grande, no Rio Grande do Sul, e em Suape, em Pernambuco, terão capacidade para 360 mil barris de petróleo por dia quando entrarem em operação, em 2013 e 2014, respectivamente.

Na licitação da Petrobras, a empresa do Tecnosinos venceu quatro multinacionais para fornecimento de uma solução de automação para cerca de nove mil pontos de controle por plataforma.

O sistema vai automatizar funções vitais, como, por exemplo, o estancamento da produção em caso de emergência e o controle dos navios.

O desenvolvimento da solução já iniciou e os primeiros testes estão agendados para o começo do ano que vem.

Muito mais pela frente
Hoje, a Petrobras conta com 15 plataformas em operação. Até 2020, porém, serão necessárias mais 40, segundo o presidente da estatal, José Sérgio Gabrielli.

Tudo para atender à meta da empresa, que pretende mais que dobrar a produção até o final da década, pulando dos atuais 2,5 milhões de barris diários para 5,3 milhões.

O recordista anterior
Em 2007, quando anunciou o fechamento do então maior contrato de sua história, também com a Petrobrás, a Altus havia assumido a automação do gasoduto Urucu-Manaus por um valor total de R$ 32,8 milhões.

Na época, o valor do contrato era apenas R$ 2,2 milhões a menos do que o total de faturamento projetado pela empresa para todo aquele ano: R$ 35 milhões.

O projeto envolvia 15 meses de trabalho, com automação de processos focados no monitoramento, controle e segurança de todos os 662 quilômetros da plataforma, além de soluções para operação remota do gasoduto a partir do Centro Nacional de Controle Operacional (CNCO) da Transpetro, no Rio de Janeiro, via satélite.

Instrumentação, automação da parte elétrica e de telecomunicações também fizeram parte do trabalho dos gaúchos.

Veja também

Altus faz automação para P-58 e P-62

A Altus venceu quatro empresas multinacionais e levou contratos no valor total de US$ 8,25 milhões para automação da P-58 e da P-62, as duas novas plataformas de petróleo em construção pela Petrobras.

Assinados nesta quinta-feira, 02, os contratos marcam a entrada da companhia gaúcha no mercado de plataformas novas destinadas à exploração do petróleo pré-sal.

Altus fecha o negócio do ano!
A Altus acaba de fechar o maior contrato de sua história. A empresa gaúcha assinou com a Petrobras um projeto de R$ 32,8 milhões para automação do gasoduto Urucu-Manaus. O valor é quase o mesmo do que todo o faturamento projetado para 2007: R$ 35 milhões.
Altus entre mais internacionais

A gaúcha Altus aparece entre as seis companhias de TI mais internacionalizadas do país de acordo com a terceira edição da pesquisa  "As mais internacionalizadas" do jornal Valor Econômico.

A companhia de automação industrial sediada em São Leopoldo ficou em sexto lugar no setor de TI e em 47º na classificação geral, com um índice de internacionalização de 1,5.

Altus Partners Energy: recorde de público
Mais de 600 pessoas, entre parceiros, clientes, formadores de opinião e representantes do mercado, participaram da 7ª edição do Altus’Partners Energy, realizada nos dias 08 e 09 de outubro em São Paulo.

O evento, cuja abertura ficou a cargo do presidente nacional da Abinee, Humberto Barbato, contou com 28 palestras técnicas, com participação de nomes como Petrobras, Bndes, Cosipa e Cesp.
Petrobras tem lucro de R$ 10,9 bi no 1T11

A Petrobras registrou lucro líquido recorde de R$ 10,9 bilhões no primeiro trimestre de 2011.

Segundo a empresa, o aumento no período foi de 42% na comparação com janeiro a março de 2010, e de 4% em relação ao trimestre imediatamente anterior (4T10).

A produção total de petróleo e gás subiu 3% em relação ao primeiro trimestre do ano passado, alcançando a média de 2 milhões e 627 mil barris por dia.

Petrobras: melhor colocação entre as globais

A Petrobras recebeu nesta sexta-feira, 13, o prêmio de empresa da América Latina com a melhor colocação no ranking das cem marcas mais valiosas do mundo.

O levantamento foi realizado pela agência americana de pesquisa de marketing Millward Brown e teve como base entrevistas de dois milhões de consumidores de 30 países.

Petrobrás quer mais fornecedores do RS

O governo gaúcho trabalha com a meta de ampliar de 2% para 10% a participação das empresas gaúchas como fornecedoras de insumos e equipamentos para a Petrobras.

A meta foi divulgada nesta terça-feira, 22, durante uma visita ao estado do  presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli.

Petrobras compra gaúcha Innova

A Petrobras divulgou nesta sexta-feira, 1º de abril, que comprou a petroquímica gaúcha Innova por R$ 538 milhões.

A empresa adquirida, sediada no pólo petroquímico de Triunfo, já era controlada pela Petrobras Energia Internacional, subsidiária argentina da Pesa (Petrobras Argentina).

Petrobras: acordo com Sinopec e Sinochem

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, assinou nesta sexta-feira, 15, em Pequim, dois acordos com as empresas chinesas China Petrochemical Corporation (Sinopec) e Sinochem Corporation (Sinochem).

A negociação fez parte da visita oficial da presidente Dilma Rousseff à China e teve como foco cooperação estratégica e tecnologia.

Petrobras assume controle da Refap

A Petrobras comprou os 30% de participação da hispano-argentina Repsol na Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), de Canoas.