Dados da pesquisa Gartner divulgados nessa quarta-feira, 30, indicam que os tablets custarão, em 2015, a metade do preço que valem hoje.

Segundo a consultoria de mercado, em geral, esse barateamento é uma tendência com os eletrônicos à medida que eles se popularizam; no entanto, a queda não costuma ser em tamanha velocidade, observam os analistas do instituto.

Em 2010, 17,6 milhões desses dispositivos foram comercializados, ao valor médio de US$ 543.

Já para este ano, a Gartner espera a distribuição de 69,5 milhões de unidades, a US$ 423 em média. Esse custo deverá cair para US$ 300 em 2013, chegando a US$ 263 em 2015, ano em que serão vendidos 295 milhões de tablets.

A empresa revisou sua projeção de gastos com TI em 2011.

A alteração se deve, principalmente, às fortes vendas de tablets no ano passado, com destaque para o iPad, da Apple. A estimativa foi elevada em 5,6% e agora está na casa dos 3,6 trilhões de dólares – 1 trilhão só nos Estados Unidos.

O aumento nas vendas dos portáteis, porém, causará a redução na receita com PCs, afirma a empresa. Tendência esta que as próprias fabricantes, como Dell e HP, admitem.

“O mercado saiu do crescimento zero de dois anos atrás para uma expectativa otimista como a de agora”. Se em 2010 os consumidores gastaram US$ 10 bilhões com tablets, em 2011 este índice subirá para US$ 29 bilhões.

A grande preocupação do mercado é quanto à influência que os confrontos no Oriente Médio e os desastres naturais do Japão terão sobre o consumo de bens nos próximos meses.

“Por enquanto, não estamos propensos a fazer qualquer mudança em nossas projeções, já que ainda estamos estudando o impacto dos acontecimentos recentes”, afirmou Gordon.