A Catho foi condenada por um juiz da 33ª Vara Cível de São Paulo a pagar uma indenização que pode chegar a R$ 63 milhões por um suposto roubo de currículos na base da concorrente Curriculum em 2002.

A sentença não é em última instância e Catho já afirmou que vai recorrer.

De acordo com os autos do processo, funcionários da Catho criaram robôs para gravar dados da base da Curriculum, chegando a capturar 1,2 milhão de e-mails.

A maior empresa do segmento no Brasil enfrenta um processo similar da concorrente Gelre, no qual já foi condenada a pagar R$ 13 milhões em setembro de 2010.

Caso confirmadas nesses valores por instâncias superiores, as indenizações podem ser pesadas para a Catho. Em 2009 – último ano para o qual se encontram informações sobre o assunto na Internet – o faturamento foi de R$ 126 milhões, alta de 28% frente o ano anterior.

"Foram nove anos na espera para esse resultado, mas valeu a pena. Independentemente do valor da causa, me sinto agora com a alma lavada", afirma em nota Marcelo Abrileri, presidente da Curriculum.

Abrileri não poupa críticas aos concorrentes no texto, destacando que os funcionários envolvidos no ilícito ocupam altos cargos na empresa e que as acusações não impediram a venda para um fundo americano em 2006.