http://www.flickr.com/photos/moneyblognewz/5324706259/

Internautas brasileiros já podem usar os serviços de streaming de vídeo Netflix.

O popular portal que oferece filmes e séries por transmissão via internet sem fazer downloads através de uma assinatura mensal, entrou no ar nessa segunda-feira, 05, no país. A mensalidade é de R$ 15.

Na chegada, o Netflix abre com um mês de assinatura gratuita aos interessados. Entre os conteúdos, estão grandes estúdios como Paramount, Sony, ABC, CBS e Disney, além da brasileira TV Bandeirantes – e sem produtos da Rede Globo, como estava previsto.

Diferentemente do que ocorre na América do Norte, onde a empresa tem 25 milhões de clientes, os assinantes brasileiros não poderão receber os DVDs pelo correio.

Na verdade, o formato já está em desaceleração mesmo nos Estados Unidos, com o aumento das tarifas para as mídias físicas.

Obstáculo 1: banda larga
Operando com streamings de vídeos, a Netflix lidará com uma realidade diferente da norte-americana no Brasil.

Enquanto nos EUA o número de conexões em banda larga passa de 80 milhões, no Brasil são 15 milhões (a maior parte com velocidade inferior a 2 megabytes por segundo – Mbps).

Além disso, segundo o relatório da Akamai para o primeiro trimestre, a velocidade média nos Estados Unidos é de 5 Mbps. Já no Brasil, é de 1,7 Mbps.

Outras empresas que já atuam na área de streaming, como Terra, constatam essa diferença.

“Fazemos transmissões no formato de streaming desde 1999 e sabemos exatamente como é a 'cara' de cada rede da América Latina. É uma realidade completamente diferente do mercado americano”, diz Fernando Madeira, presidente do portal Terra para a América Latina e EUA, ao jornal Valor.

No Brasil, de acordo com informações da Folha de S. Paulo, hoje, menos de 6% dos cerca de 42 milhões de usuários residenciais de internet têm velocidade compatível com vídeos.

Na prática, isso significa clientela limitada pela infraestrutura.

Obstáculo 2: concorrência
Além da banda lenta, aponta o Valor, a Netflix lidará com as concorrentes. Entre elas, a brasileira NetMovies, que ganhou musculatura financeira em dezembro ao ser comprada pelo fundo de investimento Tiger Global.

Somam-se à NetMovies a Livraria Saraiva, que tem há dois anos o Saraiva Digital, com 30 mil assinantes, e as operadoras Net e Telefônica, que têm os serviços Now e On Video.

Na avaliação de Marcelo Spinassé, presidente da Truetech, companhia brasileira que desenvolve sistemas para transmissão de vídeos pela internet, o mercado de vídeos sob demanda tem potencial para movimentar no mínimo R$ 1 bilhão por ano no Brasil, diz o Valor.

O Terra, outro concorrente, aliás, aproveitou a mesma data para anunciar uma expansão nos seus serviços de vídeo a partir da Colômbia – o Netflix também atuará no país, além de outros oito mercado latino-americanos.

Parcerias
Enquanto isso, a fabricante de TVs Samsung anunciou, também nessa segunda-feira, 05, a disponibilidade imediata no Brasil dos serviços da Netflix em seus televisores Smart TV.

Os consumidores que possuem um dos modelos 2011 da série poderão instalar o Netflix por meio da Samsung Apps.

A plataforma também pode ser acessada em computadores com Internet banda larga, os consoles de videogame PS2 ou PS3, da Sony, e no Wii, da Nintendo. Em breve, o serviço também estará disponível para o Xbox da Microsoft.

TVs da LG, aparelhos de Blu Ray conectados e aparelhos móveis, como iPad e iPhone, também acessam os serviços da Netflix.

Confira as matérias do Valor Econômico e da Folha de S. Paulo (para assinantes) nos links relacionados abaixo.