O Reino Unido estuda interromper os serviços de redes sociais online, como o Blackberry Messenger (BBM) e Twitter, após suspeita de que a internet foi usada por desordeiros e saqueadores para evitar ações policiais.

Conforme o jornal O Estado de São Paulo, a polícia e políticos britânicos disseram que redes sociais, em especial o Blackberry Messenger, foram usadas para coordenar atos ilegais durante os quatro dias de distúrbios na Inglaterra nessa semana.

A iniciativa do governo britânico ainda é vista como repressiva por algumas autoridades, que afirmam que conter as mídias sociais não é a melhor solução.

Segundo o Estadão, grande parte dos desordeiros preferiu o BBM ao Twitter e outras mídias sociais porque suas mensagens são criptografadas e privadas.

Entretanto, a RIM, empresa responsável pela solução BlackBerry, anunciou no início da semana que está cooperando com as autoridades de órgãos regulatórios, da Justiça e das telecomunicações, mas não informou se iria entregar detalhes de usuários ou de conversas à polícia.

O BBM tem mais de 45 milhões de usuários ativos e 70% o usam diariamente, enviando mensagens, fotos e outros arquivos.

Apesar do possível mau uso da ferramenta, a mídia social online permitiu que o público britânico trocasse informações, visando evitar locais de distúrbios e coordenar a limpeza das ruas depois das desordens.