Nesta quinta-feira, 12, inicia o período de submissão de candidaturas a novos sufixos na internet, os chamados "top level domains", junto à Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números (Icann).

De acordo com a Exame, a nova regra permite a criação de domínios de qualquer espécie ou marca, como, por exemplo, “.fone” e “.mercado”.

A medida afetará o conjunto designado Domínios Genéricos de Nível Principal, além de oferecer às empresas a possibilidade de personalizar seus endereços.

Hoje, menos de 30 sufixos constituem o nível mais alto na formação dos nomes na internet. São cerca de 240 códigos de países, como .br para o Brasil, e mais outros 23 sufixos caracterizados como gTLDs, que incluem .com, .net, .biz e .travel.

Os novos sufixos devem atender comunidades e atividades que buscam diferenciação no espaço de nomes na web ou marcas globais que queiram criar novas estratégias de proteção e divulgação.

Na tentativa de cybersquatting, o processo prevê ainda a proteção da propriedade intelectual e da marca na web.

O registro de cada novo endereço custará US$ 185 mil, segundo informa a Icann. A manutenção anual sairá por US$ 25 mil anuais, valores que devem afastar as pequenas empresas.

Entretanto, a medida enfrenta oposição de órgãos como o FMI e o Departamento de Comércio Norte Americano, que veem na mudança uma falta de controle.

Os interessados na submissão de propostas para obtenção de novos domínios terão até 29 de março de 2012 para entrar na primeira seleção, os demais podem ocorrem a cada um ou dois anos.

Para aprovação, serão avaliadas características como preservação da segurança e estabilidade da rede, proteção aos direitos de terceiros ou eventuais incompatibilidades com o "interesse público". A partir de maio, a lista dos sufixos propostos passa a ser pública.

De acordo com a Exame, os primeiros sufixos aprovados entram em atividade somente no 1º trimestre de 2013.