Usuárias de mobile game aumentam em 13%

14/09/2011 15:16

O número de mulheres que jogam pelo celular aumentou em 13%, segundo informa um estudo realizado pela Sophia Mind, empresa de pesquisa e inteligência de mercado do Grupo Bolsa de Mulher.

A pesquisa, que foi realizada em julho de 2011, com 2.947 mulheres, brasileiras, entre 18 e 60 anos, apontou que 46% das entrevistadas são usuárias de games mobile, número que, em 2009, correspondia apenas por 34%.

Tamanho da fonte: -A+A

O número de mulheres que jogam pelo celular aumentou em 13%, segundo informa um estudo realizado pela Sophia Mind, empresa de pesquisa e inteligência de mercado do Grupo Bolsa de Mulher.

A pesquisa, que foi realizada em julho de 2011, com 2.947 mulheres, brasileiras, entre 18 e 60 anos, apontou que 46% das entrevistadas são usuárias de games mobile, número que, em 2009, correspondia apenas por 34%.

Além disso, na mostra atual, 59% das usuárias jogam, no mínimo, de 2 a 3 vezes por semana. Das entrevistadas, 26% jogam menos de uma vez por semana e 14% são usuárias diárias dos games. Em 2009, esses números eram de 44%, 35% e 14%, respectivamente.

O gosto por jogos não se traduz em compras, já que 34% das usuárias adquirem os jogos por meio de download gratuito, 23% são transferidos pelos amigos e 10% realizam downloads pagos.

Quanto aos lugares preferidos por elas para jogar, as filas e momentos que em aguardam algum atendimento aparecem no topo da lista, com 27%. Do total, 26% afirmaram que não há um lugar específico, 21% preferem jogar em casa, 16% quando estão se deslocando para algum lugar e 3% confirmaram que jogam quando estão no banheiro.

Excluindo os games de redes sociais, que aparecem no estudo com relevância de 55%, 47% responderam que gostam de jogos online, como Buraco, Majong, Mario e Booble Shute.

A pesquisa comprovou que a quantidade de mulheres que jogam pela internet cresceu 13% nos últimos dois anos, passando de 46% para 52%.



 

Veja também

Jogos digitais: Brasil é quarto mercado

Estudo da empresa holandesa Newzoo mostra que o Brasil é o quarto maior mercado global em número de jogadores, com 35 milhões de usuários de jogos digitais, sendo 19,2 milhões de homens e 15,8 milhões de mulheres. O Brasil aparece pela primeira vez na pesquisa.

Os Estados Unidos lideram o ranking, com 145 milhões de usuários, informa o Valor Econômico.

Apesar da estreia brasileira, os dados ainda não são definitivos.

Aquiris na mira dos publishers de games

A empresa porto-alegrense Aquiris tem chamado a atenção de publishers internacionais do mercado de games.

Aeria Games e Chillingo, multinacionais por trás de hits como Eden Eternal e Angry Birds, são os recentes contatos da companhia gaúcha, a mais importante da a área de games no Tecnopuc desde o fechamento da unidade local da Ubisoft, no ano passado.

ESPM-Sul: curso de criação de games

A ESPM-Sul está com inscrições abertas para o curso de Criação e Desenvolvimento de Games, que inicia em 24 de setembro, com aulas aos sábados, das 9h30 às 12h30 e das 13h30 às 16h, na unidade de Porto Alegre (Rua Guilherme Schell, 350).

A atividade está focada em estudar a consolidação da industria de games, a partir de aulas práticas e teóricas, que envolvem roteirizarão, narrativa, processo criativo, social game, multiplayer e análise cases.

CityVille: maior app do Facebook em um mês

Em pouco mais de um mês, o game social CityVille tornou-se o aplicativo com maior número de usuários do Facebook.

Segundo o jornal Folha de S. Paulo dessa quarta-feira, 12, o jogo da Zinga (mesma criadora do FarmVille, com 55 milhões de usuários) já reúne 84 milhões de cadastrados ativos.

No CityVille, os jogadores empenham-se em construir suas cidades até se tornarem uma metrópole, no estilo do clássico SimCity, criado pela Maxis em 1989.

Intelig fecha em R$ 6,5 mi com jogos militares

A Intelig – controlada pela TIM desde 2009 – é a responsável pela rede de comunicação de dados da quinta edição dos Jogos Mundiais Militares, que se realizam de 16 a 24 de julho com 6 mil atletas de mais de 100 países, no Rio.

Com o contrato, a empresa recebeu R$ 6,5 milhões do Comando do Exército.