Redes sociais ainda não são consideradas como fundamentais para a esmagadora maioria das empresas

Apenas 7% dos empresários brasileiros consideram a atuação em redes sociais como indispensável, aponta pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Inteligência de Mercado (Ibramerc).

Enquanto a maioria (65%) tem perfil em algum site de relacionamento, quase a metade (47,9%) encara esse tipo de serviço como boa iniciativa, porém não fundamental.

Segundo o Diretor Executivo do Ibramerc, Richard Lowenthal, os sites de relacionamento ainda são vistos no Brasil com um canal complementar.

“A maioria ainda está em fase de teste, buscando entender como isso realmente pode agregar ao seu negócio”, diz o executivo.

Resultado dividido
Para 45% dos pesquisados, o fortalecimento da marca é o maior benefício trazido pelas redes sociais, quase empatando com os 44% que alegam que as redes ainda não trouxeram nenhum benefício.

O restante divide-se entre os que tiram proveito das vantagens através da geração de vendas e fidelização, 5% e 6%, respectivamente.

As redes sociais também tem sido aproveitadas pelas empresas para ações de coleta e análise de informações. Segundo a pesquisa, as práticas mais comuns são monitorar o mercado (46%), o comportamento dos clientes (45%) e a concorrência (39%).

Lowenthal destaca que o twitter é a onda do momento no que se refere às redes sociais por demandar menos esforço de atualização.

Na ordem de preferência do empresariado brasileiro estão o microblog (84%), YouTube (62%) e Facebook (61%). O percentual do Orkut não foi revelado.