Do total de 69 milhões de internautas do Brasil, apenas 22% podem ser considerados clientes do varejo eletrônico. Os dados são da consultoria WEBTraffic, que aponta a cifra de e-shoppers em 15,2 milhões.

Segundo o diretor de operações da WEBTraffic, Flávio Luizetto, a fatia não é maior porque quase metade dos internautas do país depende de lan houses para navegar.

Ainda assim, é um ambiente promissor, quando bem aproveitado.

“É  possível aproveitar este cenário, explorando ferramentas como as redes sociais, que atualmente representam 84,3 % de alcance entre os consumidores online”, sugere Luizetto.

Características como identificação e aceitação do público com relação a produtos indicados por amigos em sites de relacionamento podem atrair clientes, indo aos espaços que eles já ocupam na internet.

“Pedidos de produtos online, promoções via retweets e hashtags (#) e pesquisas com os consumidores por meio de enquetes em redes como Facebook e Orkut são ideias simples que podem fazer a diferença para os novos empreendedores”, recomenda Luizetto.