O UOL promoveu recentemente mudanças na gestão das suas operações de data center.
 
O UOL Host, bandeira da companhia voltada para o mercado de hospedagem compartilhada, saiu da administração do UOL Diveo, focado no mercado corporativo, e voltou a ficar debaixo do “guarda-chuva” do portal UOL.
 
Além da tranferência interna, o UOL Host mudou o organograma. O antigo diretor Vinícius Pessin passou a comandar também as ofertas de e-commerce e SaaS oferecidas através do portal UOL. O UOL Host está sob a liderança de Mariano Quadrado, que responde a Pessin.

Ambos executivos são gaúchos e trabalharam juntos na Plug In, provedor de hospedagem gaúcho adquirido pelo UOL em 2007.
 
A compra da Plug In marcou o início de uma escalada de aquisições do UOL no segmento. A empresa seguiu comprando uma empresa por ano, adquirindo Digiweb, DHC e Diveo. O processo de fusões foi liderado por Pessin.
 
Em março, a empresa anunciou a unificação das operações UOL Host, Diveo e DHC sob a marca UOL Diveo, liderada por Gil Torquato, ex-diretor corporativo do UOL.
 
Resultados
O UOL teve um prejuízo líquido de R$ 7 milhões no segundo trimestre de 2011, resultado mais de quatro vezes inferior ao obtido no mesmo período ano passado, de R$ 31,237 milhões.
 
Já o faturamento da empresa aumentou 55,7%, e atingiu R$ 308,9 milhões, impulsionado pelo crescimento da publicidade on-line, pela área de data center e, conforme relatório do UOL, pela consolidação das operações com a Diveo.
 
Os custos dos serviços prestados tiveram aumento de 37% na mesma base de comparação, para R$ 102,9 milhões e as despesas com vendas cresceram 35,8%, para R$ 77,8 milhões.
 
Houve também aumento da despesa financeira para R$ 20,18 milhões, ante R$ 13,77 milhões.
 
O Ebitda (lucro  antes de juros, impostos, depreciação e amortização) aumentou 85%, para R$ 82,8 milhões, com uma margem de 26,8%, ante 22,6% obtida no segundo trimestre de 2010.
 
As despesas relacionadas a suporte de vendas também subiram.
 
Já os gastos gerais e administrativos subiram 77%, para R$ 79,9 milhões, o que foi atribuído ao negócio com a Diveo.