Encerrando boatos de um possível rompimento da parceria, a Mozilla anunciou que o Google segue sendo a ferramenta de busca padrão do Firefox.

O acordo envolve pagamento à fundação que desenvolve e mantém o navegador open source.

Quanto o Google pagará, no entanto, não é revelado pela organização em função de cláusulas contratuais. Segundo o blog 9 to 5 Google, o Google contribuiu com 84% do faturamento de US$ 123 milhões da Mozilla em 2011.

A renovação garante a verba por mais três anos.

Especulava-se que o Google iria retirar o apoio à Mozilla para colaborar com o crescimento de mercado do seu próprio navegador, o Chrome.

Há dois anos, Asa Dotzler, um dos nomes fortes da Mozilla, chegou a sugerir em seu blog pessoal que o Bing (da Microsoft) seria um buscador melhor em função das políticas de privacidade adotadas pelo Google.

Na época, Eric Schmidt, o CEO da empresa, disse que se as pessoas não quisessem que outros soubesse de algo deveriam ficar fora da internet.

Disputas à parte, as estatísticas mostram que o Google não precisa puxar o tapete da Mozilla para alavancar o seu próprio navegador.

Pesquisa do instituto StatCounter indica que o navegador Chrome 15, do Google, está à frente do Internet Explorer 8 em participação de mercado, sendo o browser mais popular do mundo.

Dados contabilizados entre 21 e 27 de novembro mostram que a versão somou 23,63% de participação no mercado, ante 23,5% do modelo da Microsoft.

O Firefox 8 ocupa um distante terceiro lugar, com 12,2%.

Em geral, no entanto, o Internet Explorer segue sendo o mais utilizado no mundo, quando levadas em consideração todas as versões do navegador. Em novembro, o IE teve 40,63% de participação, ainda na liderança do mercado.

Já o Chrome passou o Firefox nesse mês, fechando em 25,96%, frente os 25,23% da  Mozilla.