O Mercado Livre está abrindo um Centro de Pesquisa e  Desenvolvimento no Vale do Silício, Califórnia (Estados Unidos).

Com um investimento inicial de US$ 1 milhão, o escritório inicia suas atividades com uma equipe de cinco pessoas e tem como objetivo marcar presença na meca da tecnologia atual.

“A chegada no Vale do Silício é um marco nestes 12 anos de história da nossa empresa. A partir desta ação, manteremos uma relação fluída com importantes empresas e investidores que atuam na região”, diz Daniel Rabinovich, Chief Technology Officer (CTO) do MercadoLivre.

O novo escritório está localizado em Palo Alto - lar de parte da universidade de Stanford, da HP, VMware e do Facebook.

Pela mesma cidade já passaram Sun Microsystems, Logitech e Google.

Quem lidera a operação californiana é Rodrigo Benzaquen, diretor de Infraestrutura, que atua no MercadoLivre desde o início da empresa, em 1999

Benzaquen liderou projetos como a virtualização dos servidores e do Data Center.

Hoje, a tecnologia é considerada o coração do negócio do MercadoLivre. A empresa investe por ano entre 5% e 7% de sua receita nesta área e conta com cerca de 300 profissionais de tecnologia que desenvolvem internamente todo o software da plataforma em Buenos Aires.

Atualmente, os esforços em tecnologia estão direcionados para a abertura da plataforma do MercadoLivre via APIs e webservices, um dos maiores desafios tecnológicos  da empresa.

A ideia é atrair parceiros e desenvolvedores para a criação de ferramentas e aplicativos que tornem a experiência de compra e venda cada vez melhor.

“As APIs já são uma realidade no MercadoLivre. Estamos trabalhando com aplicativos desenvolvidos por parceiros estratégicos com o intuito de promover mais flexibilidade e dinamismo à plataforma”, afirma Helisson Lemos, diretor geral do MercadoLivre Brasil.

No primeiro semestre de 2011, a empresa vendeu mais de 22,5 milhões de produtos, um crescimento de 32% sobre o mesmo período do ano anterior, atingindo um volume US$ 2 bilhões.

Atualmente, o Mercado Livre tem operação em 12 países da América Latina além de Portugal, registrando um total de 58,4 milhões de usuários cadastrados.