A montadora Renault do Brasil e a cliente Daniely Argenton, que criou um site em protesto aos problemas no seu Megane, chegaram a um acordo no início da semana.

Daniely fora judicialmente obrigada a retirar a página no ar na semana passada por uma juíza da 1ª Vara Cível de Concórdia, Santa Catarina.

Segundo o site do jornal Folha de S. Paulo, a empresa disse que “o caso chegou a uma conciliação após encontro entre representantes da empresa e da consumidora”. A companhia afirmou ainda que “reconhece que houve falhas em seus procedimentos internos e lamenta o acontecido”.

Mas destacou que “sempre buscou, junto aos representantes da cliente, uma solução conciliadora”.

No mês passado, a consumidora fez queixa no Twitter e no Facebook, com vídeo postado no YouTube, sobre defeito no automóvel e a negligência da empresa em reparar ou trocar o veículo, mesmo dentro do prazo de garantia.

Este não é o primeiro caso em que a mobilização na internet e nas redes sociais favorece consumidores. Em janeiro, um consumidor conseguiu trocar uma geladeira Brastemp com defeito por uma nova, depois de 90 dias de contenda com a empresa.

Sua campanha no Twitter, “A Brastemp não é uma Brastemp”, que incluía um vídeo, ganhou repercussão entre os internautas.