Foto no dedão de Cascavel é uma das ofertas por R$ 10 no Trampoo

O que você faria por R$ 10? A pergunta, mote do site Trampoo, da start-up brasileira de mesmo nome, explora um novo nicho de e-commerce, o micro-serviço.

A proposta do grupo, com sede em Francisco Beltrão, no Paraná, é simples: qualquer serviço é válido como oferta no site desde que possa ser contratado por R$ 10.

Uma vez que alguém se interesse pelo serviço, o prestador tem 10 dias para aceitar a proposta ou não. O prazo para execução do trabalho é estabelecido pelo próprio proponente.

Depois de concluído o "trampo", o cliente tem cinco dias para pedir ajustes.

No site, tem gente que, por R$ 10, faria as vezes de papai Noel e enviaria uma carta para os seus filhos, passaria uma cantada na sua namorada via MSN só para testar a fidelidade da moça ou tiraria uma foto no "dedão de Cascavel", uma estátua de um polegar instalada numa praça na cidade paranaense.

“A gente vê de tudo. Mas as ofertas que mais emplacam são as relacionadas à própria internet”, explica Cledson Faust, um dos sócios do projeto.

Começo promissor
Segundo Faust, a inspiração para o serviço veio do fiverr.com, que iniciou com a oferta de micro-serviços por US$ 5 nos Estados Unidos em fevereiro deste ano. Hoje, o site tem 38,8 mil ofertas e está na posição 754 no ranking da ferramenta de audiência Alexa - o GroupOn, pioneiro no segmento de compras coletivas criado em 2008 é o número 596.

Nesta segunda-feira, 25, o Trampoo completa um mês. Faust não revela números de usuários ou de negociações já feitas no site, mas salienta que ele está além da expectativa para o período.

“Podemos afirmar que até o momento o número de acessos e de negócios tem superado as nossas projeções. E deve melhorar, tendo em vista que o brasileiro tem um perfil empreendedor muito acima da média mundial”, explica Faust.

Nos 30 dias de operação, 400 trampos foram postados no site. Muitos deles, ressalta Faust, voltados para a própria internet. Entre eles estão ofertas de edição de imagens no Photoshop, programação de sites, criação de perfis em redes sociais e avaliação de serviços online de empresas.

“Cada um oferece o que tem de melhor. Teve um usuário, por exemplo, que se ofereceu para tuitar sobre start-ups para os mais de nove mil seguidores dele. Tá valendo”, brinca Faust.

De cada R$ 10 negociados, o Trampoo fica com R$ 2, com os quais cobre as taxas do Pay Pal, serviço utilizado para o pagamento dos prestadores de serviço, e a manutenção do site, além da comissão.

Quem apresenta as ofertas embolsa R$ 8.