Dados da consultoria e-Bit indicam que as vendas de final de ano da internet desaceleraram pela metade em 2011. Foi registrado 18% de crescimento, frente 40% do ano passado.

O volume de vendas chegou a R$ 2,6 bilhões.

Mesmo assim, o ritmo de crescimento das vendas pela web foi maior que o das lojas do mundo real, indica o jornal Folha de S. Paulo. O comércio eletrônico só não cresceu mais devido à crise de confiança pelos atrasos nas entregas iniciados no Natal do ano passado.

Essas falhas persistiram ao longo deste ano e obrigaram as principais empresas do ramo a montar uma "operação de guerra" para evitar problemas que arranhassem mais a credibilidade.

A B2W (Americanas.com, Submarino e Shoptime), por exemplo, diz a Folha, reforçou os centros de distribuição, investiu em automação, contratou funcionários e fechou contratos de exclusividade.

Segundo Maurício Vargas, presidente do Reclame Aqui, levantamento do site mostra que os principais portais conseguiram conter a crise de confiança.

Mais da metade das compras (52%) foi determinada pelo fator "preço", diz a Folha. A credibilidade foi o segundo item que pesou na hora da compra (17%). Em terceiro, ficou o prazo de entrega (10%).

Leia a matéria completa da Folha (para assinantes) nos links relacionados abaixo.