Mário Verdi, presidente APDesign

A Associação dos Profissionais de Design do Rio Grande do Sul (APDesign) iniciou uma campanha buscando reduzir a poluição visual da cidade.

De acordo com um levantamento realizado pela entidade, uma área equivalente ao Parque da Redenção, mais de 350 mil metros quadrados, está bloqueada por outdoors, cartazes e outras formas de publicidade ao ar livre.

“Desse total, 70% é irregular”, avalia o presidente da APDesign, Mário Verdi, destacando que a cifra total cresceu 10 vezes nos últimos 10 anos.

O primeiro passo da campanha "Quero ver Porto Alegre" foi criar um site pelo qual é possível enviar fotos de pontos visualmente poluídos da cidade, além de responder a um questionário sobre o assunto.

O próximo movimento será doar a um grupo de 20 voluntários um software que permitirá enviar fotos de publicidade irregular diretamente para um banco de dados da APDesign, que pretende levar todas as denúncias para a Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

“O objetivo final é criar pressão para aprovar uma nova legislação sobre o assunto em Porto Alegre”, revela Verdi, que projeta para o segundo semestre de 2011 a apresentação da proposta.

A nova lei defendida pela APDesign não é tão rígida como a aprovada em São Paulo, onde toda a propaganda em outdoors foi proibida e reduziu bastante o tamanho dos letreiros em relação ao tamanho das fachadas dos estabelecimentos comerciais.

A ideia é retirar a propaganda quando atrapalhe a sinalização de trânsito ou a vista das áreas verdes da cidade.

Verdi cita como exemplos as avenidas Carlos Gomes e Salvador França.

Verdi defende que a limpeza da cidade não é somente um assunto da estética. “Excesso de informação e desordem pode resultar em irritabilidade, cansaço, estresse, dificuldade de atenção, dores de cabeça e fadiga da visão”, aponta o presidente da APDesign.